Portugal: ‘A perspectiva é de aliviar e não de haver mais restrições’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Portugal: ‘A perspectiva é de aliviar e não de haver mais restrições’

Diretor do Turismo do Portugal no Brasil diz que, no meio de setembro, 85% da população portuguesa deve estar vacinada por completo e regras podem ficar ainda mais brandas

Viagem Estadão

08 de setembro de 2021 | 05h00

Por Nathalia Molina*

Portugal está aberto para brasileiros para turismo desde 1º de setembro e não deve voltar a fechar. O país da Europa não exige vacinação contra a covid nem quarentena na chegada. Para todos os turistas, mesmo quem já está imunizado com duas doses ou a única, a regra para a entrada em Portugal é apresentar um exame RT-PCR (ou NAAT similar) negativo realizado até 72 horas antes do embarque ou teste rápido de antígeno feito no máximo 48 horas antes.

“A perspectiva é de aliviar e não de haver mais restrições”, afirmou Bernardo Barreiros Cardoso, diretor do Turismo de Portugal no Brasil desde 2015, numa entrevista exclusiva sobre o retorno dos turistas brasileiros. “Portugal se fechou, pediu aos portugueses para cumprirem as regras até termos a segurança de que o sistema nacional de saúde tinha total controle sobre a pandemia, sobre seus leitos. Isso aconteceu. Não fazia sentido manter isso (a restrição). Por isso que te digo: não vejo como voltar atrás, só uma catástrofe.”

Portugal acredita que total de viajantes do Brasil volte a crescer como em 2019 – Foto: Turismo de Lisboa

O retorno dos turistas do Brasil ao país da Europa foi aprovado no despacho nº 8652-C/2021, de 31 de agosto. Como o documento informa que a decisão pode ser revista em 16 de setembro de 2021, em função da evolução da situação epidemiológica, muitos viajantes ficaram em dúvida se o país poderia fechar novamente para brasileiros. Ao longo da pandemia, a cada 15 dias o país avalia as condições de saúde.

Alto índice de vacinação e sustentabilidade em Portugal

“Portugal tem feito um trabalho extraordinário e se crê que nas próximas semanas a imunização será muito pouca, porque já não há mais ninguém para imunizar, tendo em conta que dos 0 aos 12 anos são cerca de 11%, 12% da população. Portanto, nós estamos atingindo 85% da imunização, que era uma meta pretendida pelo governo para poder dar mais um passo da reabertura”, disse.

Regras mais brandas podem incluir, segundo Cardoso, o fim da exigência de apresentação de teste de covid negativo para frequentar espaços fechados. Em comparação com outros países que reabriram para viajantes brasileiros, Portugal já faz menos exigências. Desde o fim de junho, Espanha, Alemanha, França, Suíça e Canadá já aprovaram a entrada de viajantes brasileiros, desde que vacinados com o esquema completo (duas doses ou a única). Veja como emitir o comprovante de vacinação para viagens internacionais e ouça o Como Viaja | podcast de viagem sobre Portugal (com dicas do que fazer) e países abertos para brasileiros vacinados.

O brasileiro vai encontrar um país que valoriza a sustentabilidade, ressaltou Cardoso. Saiba mais na entrevista completa com o diretor do Turismo de Portugal no Brasil.

Como o turismo de Portugal está se posicionando nesse novo cenário? O país já vinha trabalhando a diversidade e a sustentabilidade antes da pandemia, mas agora quer se tornar uma referência mundial nesse setor?

Isso já está no plano 2020-27, que foi lançado há bastante tempo. Claramente, para nós é um ponto fundamental a sustentabilidade, e não só de uma forma mais simples, mas integrada pelo país todo. O objetivo é tirar as pessoas que tinham muito essa tendência de ficar em Lisboa e no Porto. Que elas possam circular e que possa haver maior integração e respeito com as comunidades locais. Há uma quantidade de pontos fundamentais para que todo esse processo de sustentabilidade e essa nova reabertura possam estar integrados.

Portugal é um país muito autêntico, genuíno e diversificado. E nós temos como princípio receber bem quem nos visita, está no nosso DNA. O nosso foco foi sempre nas pessoas, e isso é fundamental para toda essa estratégia, o respeito e a segurança que nós queremos que cada um possa ter quando nos visite.

Dentro desse âmbito, ganham importância destinos que têm muita natureza, como o Alentejo? Para que você possa estimular que a pessoa vá até Lisboa, mas estique até Óbidos, a Serra da Estrela e outras regiões do país?

Isso mesmo. Nós temos dois arquipélagos, a Madeira e os Açores. E os Açores são as primeiras ilhas sustentáveis do mundo. Portanto, é claramente o caminho que nós estamos trabalhando há muito tempo, se tornar as ilhas mais sustentáveis do mundo não é de um dia para o outro. Tem uma quantidade de requisitos, e em Portugal é igual.

Portugal quer mostrar regiões como o Alentejo, fora de Lisboa e do Porto – Foto: Turismo do Alentejo

O que eu acho é que o mundo mudou. O vídeo Hello World. It’s me Tomorrow (do Visit Portugal) fala de uma criança que se comunica com o mundo dizendo que durante tantos anos nós, seres humanos, exigimos muito da natureza. Chegou o momento de sermos nós a darmos para a natureza alguma coisa. Por isso, Portugal usou imagens do mundo inteiro, de vários lugares. Isso é uma coisa extraordinária dentro da visão porque não é um problema só de Portugal, é um problema de todos nós.

Eu acho que isso está, nesta fase de reabertura, entre as coisas mais importantes: que o turista que nós queremos, que temos todo o prazer de receber e é para ele que nós trabalhamos, quando chegar, respeite todo esse meio ambiente, as comunidades, os artesãos. Tudo isso é o caminho da sustentabilidade, respeito por aquilo que são os hábitos e costumes de cada um de nós.

O Brasil, a meu ver, não o Brasil como instituição, mas o povo brasileiro, as pessoas têm hoje essa pegada de sustentabilidade. Cada vez mais elas estão respirando esse caminho. Vai ser fantástico para nós voltarmos a receber todos já neste momento de reabertura ao mundo. Desde que cada um de nós respeite as regras, tenho certeza de que será um retorno para não voltar para trás.

Em termos de visitantes internacionais, como o Brasil se posiciona em Portugal?

O Brasil é o quinto mercado. O primeiro é o da Grã-Bretanha, depois você tem Espanha, França e Alemanha. Depois do Brasil, vem também os Estados Unidos. Portanto, dois mercados muito importantes do Novo Mundo, de países que não são europeus. O Brasil tem crescido a um ritmo de dois dígitos por ano. Em 2019, foi o melhor ano do Brasil em Portugal entre todos: atingiu quase 1,3 milhão de visitantes. Fevereiro cresceu 27% até o início da pandemia.

Então nós acreditamos que esse ritmo de crescimento vai se manter. O brasileiro está cada vez mais conectado com Portugal. Ele está redescobrindo suas origens, suas raízes, entendendo que Portugal não é aquele país que durante muitos anos ele teve na cabeça como mais velho e sem grande interesse. Muito pelo contrário, é uma redescoberta das suas raízes e reconhecendo como um país moderno, diferenciado e autêntico, respeitando aquilo que é de Portugal e tem sido uma coisa extraordinária receber brasileiros. Eu acredito que em breve se tornará o quarto mercado para Portugal.

‘2019 foi o melhor ano do Brasil em Portugal: 1,3 milhão de visitantes’, disse Cardoso – Foto: Milton Galvani

O Brasil tem 210 milhões de pessoas. Não é por decréscimo de qualquer um dos outros mercados. Quase todos os mercados estão crescendo. Não é à toa que Portugal foi durante os últimos anos considerado o melhor destino do mundo. Pode até ser questionável eu falar de Portugal. Mas a verdade é que todos esses prêmios têm a ver muito com o nosso trabalho, com o esforço que os portugueses têm feito na última década para criar um país que seja um dos melhores do mundo para receber quem nos visite. Isso tem sido fantástico, com inaugurações, as cidades estão totalmente renovadas, os portugueses estão focados no turismo, tem havido um grande investimento, não só privado como público.

Para entrar em Portugal, o brasileiro tem de apresentar PCR feito até 72 horas antes ou antígeno feito nas 24 horas anteriores à viagem, além de preencher o passenger locator card. As regras são realmente só essas? Isso pegou vocês de surpresa, por não exigir a vacinação?

Não sei se você tem conhecimento, mas Portugal é o país do mundo com a melhor taxa de vacinação. Tem alguns pequenos países, de 100 mil pessoas, de 200 mil pessoas, mas, em termos de um país de um país da dimensão de Portugal, é o primeiro. Portugal tem feito um trabalho extraordinário e se crê que nas próximas semanas a imunização será muito pouca, porque já não há mais ninguém para imunizar, tendo em conta que dos 0 aos 12 anos são cerca de 11%, 12% da população. Portanto, nós estamos atingindo 85% da imunização, que era uma meta pretendida pelo governo para poder dar mais um passo da reabertura.

Tendo em conta tudo isso, você me pergunta pessoalmente se fui apanhado de surpresa. Um pouco, a gente sabia que podiam vir regras um pouco mais restritas. Mas, tendo em conta as vacinações, já se falava muito da Coronavac: vai entrar, não vai entrar, já foi aprovada aqui… O fato é que Portugal fez um trabalho extraordinário. O governo tomou a decisão certa. A população está vacinada, está protegida. E não fazia sentido, até porque no espaço Schengen a Espanha está aceitando a Coronavac, a Alemanha não aceita. Então, se você entrar pela Espanha, você já pode ir para Portugal. Ficou um pouco confuso também explicar todas essas regras.

E nunca esquecer uma coisa que eu acho fundamental, que é a nossa relação histórica. Para Portugal, o único país que pode dizer que é verdadeiramente irmão por sangue é o Brasil: 95% da população, seja pelo lado da mãe, do pai, do avô ou da avó, tem o nome português. Então nós somos verdadeiramente irmãos. A única diferença entre você e eu é que seu avô provavelmente chegou primeiro do que eu aqui. Por isso eu acho importante essa redescoberta das raízes que nós já tínhamos falado antes. Portanto, recebemos com alguma surpresa, mas com uma naturalidade bastante grande, sabendo que o Brasil é dos países mais importantes e faz parte dos países irmãos que nós temos de expressão portuguesa.

Quando você fala em 85% são os totalmente imunizados, no esquema completo de vacinação, com as doses, certo?

Isso. Porque com uma dose só já atingimos esse valor. Acredito que ainda no fim desta semana podemos atingir os números. Estamos com uma adesão muito grande (à vacinação). Eu respeito quem não quer receber a segunda dose, mas eles também têm de respeitar a opinião de que, se você não quer receber a segunda dose, você tem de ficar em casa porque você vai ser um futuro portador de um vírus que pode mutar e voltar a pôr em questão tudo aquilo que é a nossa liberdade como pessoas. O respeito pelo próximo é o ponto fundamental para que a gente possa ter uma vida melhor.

Brasileiro vacinado com as duas doses ou a única também tem de apresentar teste PCR ou antígeno negativo para viajar para Portugal?

Sempre, essa é a condição. É importante que esse teste seja feito mais próximo da viagem porque esse PCR negativo pode ser usado depois nos estabelecimentos. As coisas estão normais, estamos numa abertura, mas é bom não esquecer que estamos numa pandemia. Essa normalidade tem regras, e essas regras têm de ser cumpridas.

O uso de máscaras é obrigatório em todo o país e o distanciamento também?

Por enquanto, sim. A cada 15 dias o governo e a direção geral de saúde portuguesa tomam novas decisões. Podem manter aquelas e tomam novas decisões. O governo fala muito que, assim que atingirmos os 85% de vacinação, haverá novas aberturas, novas concessões. Vamos esperar até o dia 16 deste mês como vai ser. Acreditamos que sim.

Até lá, as regras são essas: você vai num restaurante durante o final de semana tem de apresentar um teste negativo, já que o brasileiro não tem acesso ao certificado digital europeu. Se tem o certificado, é suficiente. Se não, tem de apresentar um teste.

Distanciamento e máscara são obrigatórios em todo país; na foto, a Cidade do Porto – Foto: Turismo de Portugal

Um teste em Portugal está disponível em qualquer lugar, não só em farmácias, nos supermercados. Custa cerca de 2 euros. É muito rápido. Mas eu digo para aproveitar o PCR que você vai levar daqui. Em vez de fazer com as 72 horas, para fazer no limite. Até porque hoje o Brasil tem a capacidade de dar o resultado dos testes, em alguns lugares, em quatro horas, 12 horas no máximo. Depois utilizo meu certificado ou comprovante do PCR para poder frequentar alguns estabelecimentos que vão pedir essas informações.

Esses estabelecimentos seriam os fechados, como museus, restaurantes e lojas. Não ao ar livre, certo?

Tudo ao ar livre não necessita.

Mesmo se sentar na varanda do restaurante não precisa. Só dentro?

Só precisa dentro.

Quem não tiver o certificado europeu, mas tiver o ConecteSUS com as duas doses de vacina, precisa também apresentar o teste nesses estabelecimentos?

Precisa, o ConecteSUS ainda não está integrado com Portugal. Creio que eu vi alguma coisa na imprensa, uns dias atrás, sobre o governo português e o brasileiro estarem tentando fazer a integração. Mas, enquanto não houver, as regras se mantêm porque não é reconhecido.

Já é seguro planejar viagem para Portugal ou, como essa regra vem sendo reavaliada a cada 15 dias, existe risco de o país fechar novamente em 16 de setembro para brasileiros?

Eu diria que é seguro. Para que não fique no ar nada, eu te respondo desta forma: no dia 2 de março de 2020, eu fui a Portugal para ir a uma feira; dias depois, foi decretada uma pandemia. Então o que acontece: é seguro, mas todos temos de respeitar as exigências que nos pedem no dia a dia. Voltar atrás só é possível se nós não fizermos os nossos papéis. E aí depende de cada um de nós. É aquilo que nós já tínhamos falado relativo às regras.

Portugal está com 85%, o Brasil está caminhando para uma boa vacinação e, dentro em breve, também estará próximo desse número. O vírus não tem onde ficar, então passará a ser uma doença endêmica. Agora, enquanto existir a pandemia, o governo de 15 em 15 dias revê regras. Mas, pelo histórico do que tem acontecido, são regras para aliviar, não para prender.

É claramente seguro você poder viajar, mas volto a lembrar que cada um de nós é responsável pelo próximo passo. Se nós respeitarmos, seguramente não vai voltar nem esta pandemia nem outras. Acho que o aprendizado tem de ser para o futuro.

Então atingindo esses 85% da população vacinada, dificilmente Portugal vai fechar suas fronteiras?

Isso mesmo. A perspectiva é para aliviar e não para haver mais restrições. Não tenha a menor dúvida: uma das coisas mais importantes que Portugal soube controlar de uma forma muito forte tem a ver com o sistema nacional de saúde. O grande drama era você precisar ir ao hospital, e não tinha leitos. Você não podia ter isso. Então Portugal se fechou, pediu aos portugueses para cumprirem as regras até termos a segurança de que o sistema nacional de saúde tinha total controle sobre a pandemia, sobre seus leitos. Isso aconteceu. O sistema nacional de saúde está totalmente apto, em termos de normalidade.

Não fazia sentido manter isso (a restrição). Por isso que te digo: não vejo como voltar atrás, só uma catástrofe. Aí já não depende de nós. E a rejeição da população portuguesa às vacinas é quase nula. É uma coisa muito boa. Os portugueses aderiram em massa e querem ser vacinados, querem estar protegidos. Isso é uma coisa fundamental para que você possa ter sucesso na sua estratégia.

* Sou jornalista de turismo e apresento o Como Viaja | podcast de viagem, com dicas e experiências no Brasil e no exterior. Me acompanhe também no Instagram @ComoViaja para novidades e curiosidades

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.