Sete piscinas naturais para você e o mozão ficarem juntos e shallow now
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sete piscinas naturais para você e o mozão ficarem juntos e shallow now

Adriana Moreira

22 de maio de 2019 | 05h00

Catamarãs levam às piscinas de Maragogi. Foto Adriana Moreira/Estadão

A cantora Paula Fernandes divulgou em suas redes sociais a versão criada por ela para a música Shallow,  trilha sonora do filme Nasce Uma Estrela, com Lady Gaga e Bradley Cooper. O refrão, que na versão nacional termina com a frase “juntos e shallow now” (algo como “juntos e no raso agora”) não agradou a internet, que logo deu uma resposta à sua maneira: criando uma variedade infinita de memes. A canção Juntos foi lançada oficialmente no domingo, 19, em um dueto com o cantor Luan Santana. Ainda está prevista a gravação de um DVD em junho.

Buscando um sentido para a frase do refrão e por se tratar de uma música romântica, que fala em reconciliação, o Viagem fez uma lista de sete lindas piscinas naturais para curtir ao lado do mozão e, assim, vocês ficarem juntos e shallow agora ou quando quiserem. De preferência, nas luas cheia ou nova, quando a amplitude de maré é maior e vocês podem curtir ainda mais o shallow do mar.

Maragogi

 

Piscinas naturais de Maragogi, Alagoas. Foto Legacy600/Creative Commons

Queridinha das piscinas naturais do Brasil, Maragogi é para ficar juntos e shallow com muitos outros turistas, que chegam em catamarãs – embora haja um limite diário de visitantes para garantir a preservação do local. Há muitas agências de receptivo na cidade que reservam o passeio (em média, R$ 100). São cerca de 20 minutos para chegar à área das piscinas. Tudo depende de como estará a maré no dia, mas o passeio todo costuma durar, em média, 2h. Para algo mais romântico e intimista, procure as pousadinhas charmosas do entorno (a cidade de Japaratinga é uma ótima ideia), que indicam passeios para áreas mais exclusivas.

São Miguel dos Milagres

Piscinas da Praia do Toque. Foto Adriana Moreira/Estadão

Também no litoral alagoano, São Miguel dos Milagres oferece uma experiência mais intimista com as galés. Os passeios são feitos em barcos menores – dá para ir só você e seu amado (a) – e as pousadas costumam ter seu próprio barqueiro de confiança para recomendar. Outra vantagem é que da Praia do Toque (a mais charmosa de Milagres) às piscinas naturais são apenas 10 minutos. E, se começar a chegar muitos barcos, o barqueiro sempre tem um truque na manga para levar vocês a um lugar menos concorrido.

Porto de Galinhas

Jangadas levam às áreas de piscinas em Porto de Galinhas. Foto Bruna Toni/Estadão

A apenas 50 quilômetros do Recife, Porto de Galinhas é um dos destinos mais visitados do País. Para quem busca boa infraestrutura hoteleira e variedade gastronômica, esse é o lugar. A visita às piscinas naturais é feita de maneira bem organizada, na hora: você chega, compra os ingressos na cabine em frente à praia e já vai direto no jangadeiro indicado pela associação. É possível que você tenha de aguardar um pouco até outros passageiros chegarem, mas não há pressa: a paisagem é linda, e são só cinco minutinhos até os arrecifes que deram fama ao local – um deles tem o formato do mapa do Brasil.

Ilha de Boipeba

Piscinas naturais na Ilha de Boipeba. Foto Adriana Moreira/Estadão

Localizada ao sul de Salvador, a ilha mantém preservado um cenário rústico. Ali não entram carros e há opções de hospedagem tanto para mochileiros quanto para quem procura um destino romântico, com pousadas de charme e bons restaurantes. A pedida ali é relaxar.

Os visitantes chegam de barco ou balsa no povoado de Velha Boipeba, e por ali mesmo já dá para marcar seu passeio até as piscinas naturais. Na alta temporada a área fica cheio de turistas que fazem passeios de um dia vindos de Morro de São Paulo, mas, no resto do ano, o clima é de tranquilidade. Há um bar flutuante que serve drinques e cerveja – e não custa lembrar: não deixe lixo ali, ok?

Piscinas do Seixas

Mar transparente em Seixas. Foto Hélvio Romero/Estadão

Com boa infraestrutura e ótimas opções de bate-volta, João Pessoa é para quem quer ficar a dois, mas sem perrengues. As piscinas naturais do Seixas são menos exploradas, e é preciso partir de barco da Praia da Penha, um vilarejo de pescadores. A maioria dos turistas vai para as piscinas do Picãozinho – para chegar lá, os passeios partem de Tambaú, no centro da capital paraibana. A melhor época para ficar shallow ali não é now, mas de dezembro a março, quando as águas ficam com esse tom caribenho da foto acima. Se tiverem disposição, estiquem até a praia de nudismo de Tambaba, considerada uma das mais bonitas do Brasil e onde só entram casais.

Lençóis Maranhenses

Lagoas dos Lençóis Maranhenses são formadas pela água da chuva. Foto Bruna Toni/Estadão

Em Lençóis sim, a hora de ficar juntos e shallow é now. De junho a setembro, as lagoas estão cheias das águas das chuvas que caem de janeiro a maio. É preciso caminhar para chegar a elas – por isso, não esqueça da água, do protetor solar e de um chapéu. No caminho, lagoas para contemplar e se banhar – a temperatura é sempre morninha, agradável a ponto de ninguém querer ir embora dali. A principal base para quem vai à região é Barreirinhas: desembarque em São Luís, a 185 km de distância – a estrada está novinha, o que facilitou muito a viagem. Para explorar o Parque Nacional, a base é Atins – fique ao  menos uma noite por lá.

Se tiverem tempo e gosto para aventura, invista na Rota das Emoções, que passa ainda por Jericocoara (que esbanja charme e bons restaurantes) e pelo Delta do Parnaíba.

Baía dos Porcos

Vista da praia, com os Dois Irmãos ao fundo. Foto Felipe Mortara

Você pode usar ou não a hashtag #noronhe-se, a exemplo dos famosos que vivem passando férias em Fernando de Noronha. Entre tantos cenários paradisíacos, perfeitos para viagens a dois, a Baía dos Porcos é considerada por muitos a praia mais bonita da ilha (numa disputa acirradíssima com a do Sancho). O Morro Dois Irmãos fica ali, pedindo para ser fotografado o tempo todo dos mais variados ângulos possíveis.

Para visitar a praia, só na maré baixa, por uma trilha da Cacimba do Padre. É assim que se formam as piscinas naturais, entre as formações rochosas bem na beirinha da água. Leve equipamento para praticar snorkelling.

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:

Brasilfériaspaula fernandes