Curiosidade, pânico e alegria

Curiosidade, pânico e alegria

Bruna Tiussu

27 Fevereiro 2018 | 15h00

Dia de visita inesperada na Bright School. Foto: Eduardo Asta


Quando os branquelos de uniforme azul chegaram trazendo caixas de parafernálias, as kids todas arregalaram seus olhos curiosos. “Estes doutores vieram checar os dentes de vocês”, explicou o diretor da Bright School. Os olhares curiosos continuaram lá, afinal, nenhum aluno da escola havia passado por tal experiência antes.

Estamos falando de crianças entre 3 e 16 anos. E que nunca tiveram a chance de ir ao dentista. O pouco que sabem sobre higiene bucal é o que a escola consegue ensinar. Na lista de materiais pedidos no início do ano, constam três escovas de dentes e três pastas — mas nem todos os pais dão bola à exigência. E o hábito é escovar os dentes apenas uma vez por dia: pela manhã.

Crianças fazem sua estreia no dentista. Foto: Eduardo Asta

Tudo isso explica muito os inúmeros dentes maltratados e sorrisos amarelos vistos por aqui. Tanto de crianças quanto de adultos. Os dentes manchados chamaram minha atenção logo que cheguei. Tem gente (um dentista local, inclusive) que explica que é por causa da água cheia de flúor que muitos bebem. Eu sinceramente não sei se é só isso.

Voltando à visita dos doutores branquelos (eram da Alemanha), posso dizer que os olhos curiosos foram substituídos por olhares amedrontados logo após a estreia do tradicional motorzinho de dentista. As kids daqui são muito fortes, não choram fácil, não, mas muitas não conseguiram esconder o medo. Que ficou pouco mais evidente depois da primeira anestesia aplicada — com seringa, vale ressaltar — e do primeiro dente extraído. Nessa hora até eu, que estava lá tentando tranquilizar as kids, fiz cara de pânico.

A reação ao ver um dente ser extraído. Foto: Eduardo Asta

Mas como boas crianças africanas que são, elas se levantavam da cadeira após atendimento esbanjando agora um olhar de tranquilidade. Chegavam perto dos colegas dizendo: “foi moleza, não dói nadinha”. E então se viravam para mim, pois queriam uma foto. Pedido realizado com gosto. Seus novos sorrisos merecem demais.

Neema antes…

…e depois! Foto: Eduardo Asta

Mais conteúdo sobre:

básico da ÁfricaTanzâniaÁfrica