A revolução musicada

Como seria a música do protesto moderno no Brasil? A América do Sul já está produzindo 'nuevas voces' y 'nuevos ideales'

Paulina Chamorro

24 Outubro 2011 | 16h31

Revoluções, resistências e vozes foram musicadas nos 60´e 70´na América Latina. Tem até um gênero conhecido, música de protesto. Grandes vozes e compositores com atitude marcaram coros de cidadãos que inflaram suas causas tendo na música o resumo do que sentiam ou queriam dizer. De Cuba, o movimento Nueva Trova, com destaque para Silvio Rodrigues e Pablo Milanés. No Chile, Victor Jara, Violeta Parra, Inti Illimani e tanto outros. No Brasil, Chico, Vandré… E da Argentina, generosa e sudamericana, Mercedes Sosa.
Neste novo mundo de revoluções por redes sociais, callejero (“de rua”), do acesso livre a músicas, como mexer com multidões? Uma artista e uma banda conseguiram espelhar bem um sentimento de indignação, com foco, muito foco, ressalto.
A revolução estudantil chilena vem numa voz feminina. A rapper, ou ´rapera’ chilena Ana Tijoux, premiadíssima, no calor dos protestos escreveu e gravou para seu novo disco ‘La Bala’, a música ‘Schock’. O clipe já diz tudo e ela se apresenta nas manifestações, como uma forma de verbalizar os anseios estudantis, sem deixar de lado a crítica ao governo de Sebastián Piñera. (Para ver ela “em ação”, basta buscar no youtube.com com os nomes de “Marchas”, “Ana Tijoux” e “Schock”)


Ana Tijoux – Shock por enmemoria2009

De Porto Rico, o aclamado Calle 13, que tem seu vocalista, o inquieto Visitante ( ou René Peres), vencedor de vários Grammys latinos, incendeia ‘la latinidad’ em seus lotados shows com a música ‘Latinoamerica’. Aqui a causa também é pela educação. Com letra poderosa, que exalta o povo sudamericano, convida em cada país um representante folclórico para acompanhá-lo. A gravação original tem vocais de Maria Rita, Totó La Monposina e a peruana Suzana Baca. Mas separei este vídeo de uma apresentação no clássico Festival de Viña del Mar, no Chile, em fevereiro deste ano, que tem o Inti Illimani Histórico e a cantora Camila Moreno, para dar mais força à letra.


E aqui no Brasil? Qual seria a música de protesto de hoje? E principalmente, qual seria o motivo do protesto?

Acompanhe as letras incendiárias:

Latinomaerica: http://letras.terra.com.br/calle-13/1780833/

Schock: http://musicayletras.co/ana-tijoux–shock/174/