Victor Ruiz Cabellero/ The New York Times
Victor Ruiz Cabellero/ The New York Times

1. Parque Torres del Paine

Criado em 1959 e declarado Reserva da Biosfera pela Unesco, o parque é quase um sinônimo de Patagônia chilena

Jéssica Otoboni, O Estado de S. Paulo

06 Março 2018 | 04h50

A neblina da manhã adiou o esperado encontro com as famosas Torres del Paine. Mas não saí de lá sem esse “troféu”: durante a tarde, com o horizonte mais limpo, foi possível ver os três picos de granito de até 2.850 metros de altura. 

O Parque Torres del Paine é quase um sinônimo de Patagônia chilena. Criado em 1959 e declarado Reserva da Biosfera pela Unesco em 1978, tem cerca de 230 mil hectares e vem experimentando um aumento contínuo no número de visitantes – atualmente, são cerca de 150 mil pessoas por ano. 

Tanto que a administração do parque vem atuando para organizar a visitação turística. Desde outubro de 2016, exige-se reserva antecipada para pernoitar nos seus dez acampamentos e refúgios – dois deles, Paso e Italiano, são administrados pela Corporação Nacional Florestal (Conaf) e gratuitos. Outros oito são administrados por duas concessionárias e cobram. Reserve em bit.ly/reservecamping.

Dois circuitos de trilhas são os principais: o W, mais curto, com cerca de 70 km de extensão (leva em média 5 dias), e o O, com cerca de 120 km de trilhas (8 a 10 dias). 

E há várias outras opções de passeios. Rios e lagos que se formam a partir do degelo dos cumes do maciço rochoso mudam de cor de acordo com a luminosidade e o ponto do parque onde se está. De encher os olhos. Visitas aos lagos Pehoe e Nordenskjöld e ao lago e glaciar Grey não dependem necessariamente de trilhas longas: de Puerto Natales partem ônibus de linha até o centro de visitantes, e também é possível alugar carro. 

A administração pede que você se registre na chegada e informe seus planos de visita, por segurança. Outras regras incluem não fazer fogueira, levar o lixo embora e preservar flora e fauna. Uma placa me chamou a atenção: a que ensina a se portar em caso de encontro com um puma – há vários. Não se deve correr, nem encarar o animal. Feliz ou infelizmente, não encontrei nenhum. Mas os guanacos, um tipo de lhama, estes estavam por toda a parte. A entrada no parque custa de 11 a 21 mil pesos (R$ 60 a R$ 115). Site: parquetorresdelpaine.cl.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.