Adriana Moreira/Estadão
Adriana Moreira/Estadão

10 - Onde ficamos

Dispense os chinelos e sinta-se em casa

O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2017 | 03h30

Meu chalé era o primeiro, o mais próximo do mar. Deitada na rede da minha varanda particular, eu vi a lua cheia subindo e corri para a praia, iluminada apenas pelo luar. O barulho do vento funcionava como uma canção de ninar, embalando um sono tranquilo. A única preocupação era decidir se devia dormir um pouco mais ou levantar para ver o sol nascer daquele marzão, por volta das cinco da manhã.

O casal Jessy e Tsachi Greenhut (ela paulistana, ele israelense) compraram a Pousada da Amendoeira há nove anos – um sonho antigo, explica Jessy. “Nos apaixonamos pelo lugar”, conta. São apenas nove bangalôs, distribuídos pelo chão de areia, como se fosse uma extensão da praia. Os funcionários chamam os hóspedes pelo nome e também se apresentam: Fabiano, Hélio, Gil e tantos outros são sempre sorrisos, um sorriso genuíno. “Sempre reforçamos que eles são importantes, os funcionários também são a pousada”, diz Jessy.

Há uma preocupação constante com o meio ambiente. Nos quartos, xampu, sabonete e condicionadores são biodegradáveis. O lixo orgânico vira adubo e o restante é recolhido por uma cooperativa de Maceió. “Foi uma luta conseguir. Hoje, outros 30 estabelecimentos da região também estão reciclando”, comemora Tsachi. 

Para fazer o local o mais aconchegante possível, o casal fez algumas escolhas. Não há internet nos quartos, só nas áreas comuns, para que os hóspedes interajam. Em vez de Netflix, você pode emprestar filmes ou livros na biblioteca. Piscina também foi dispensada: “Para quê, com esse mar incrível, na temperatura ideal bem aqui na frente?”, diz Jessy. Aliás, é possível contemplá-lo das espreguiçadeiras do deque ou das cadeiras instaladas na areia. E, de lá, apenas estender a mão para pedir água de coco, porções, caipirinhas...

Melhor não pensar em regime ali. O café da manhã é à la carte, com frutas, açaí com granola caseira, pães feitos na pousada, tapioca, bolo, omelete, suco, café... Pedi uma banana e Fabiano me sugeriu: “quer com mel e canela, na chapa, com queijo coalho?”. Não consegui resistir. 

As diárias começam em R$ 730, com meia pensão (leia mais sobre o restaurante da pousada aqui)

Em tempo: crianças são bem-vindas.

Mais conteúdo sobre:
Alagoas [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.