Divulgação
Divulgação

2º DIA

MANHÃ

O Estado de S.Paulo

14 Maio 2013 | 02h11

 

Se você está debutando nas ruas portenhas, este é o dia do city tour básico. Não é seu caso? Vá para o dia 3, na página seguinte. Ou recupere memórias: afinal, você inevitavelmente vai passar por pontos como a Avenida 9 de Julio. Ao mesmo tempo em que caminham por suas largas calçadas, moradores e turistas viram figurantes da clássica foto, que invariavelmente tem como pano de fundo o Obelisco, erguido em 1936 para a comemoração dos 400 anos de Buenos Aires.

O roteiro clássico sempre envolve uma caminhada pela famosa avenida e uma visita ao imponente Teatro Colón (teatrocolon.org.ar) - considerado a terceira melhor casa de concertos do mundo por sua acústica. O tour guiado (há horários em português) não é barato (110 pesos ou R$ 42), mas vale a pena. Você, como eu, pode não entender nada de acústica, mas basta ter olhos para descobrir uma das mais belas construções do continente. O prédio, de 1908, passou por quase 10 anos de reforma e está tinindo. Quem sabe não dá sorte de chegar em uma noite de concerto ou ópera?

Cruze as intermináveis 21 faixas da Avenida 9 de Julio e desça pela Diagonal Norte até a Plaza de Mayo, coração político, emocional e religioso da Argentina. Comece pelo palácio presidencial: a Casa Rosada (presidencia.gov.ar) - de onde despacha a presidente Cristina Kirchner - tem visitas guiadas em português com uma hora de duração aos sábados, domingos e feriados, entre 10 e 18 horas. Para entender a história argentina, o gratuito Museo del Cabildo (cabildonacional.gob.ar), fornece esclarecedoras explicações em um simpático prédio do século 17.

Em tempos de papa argentino, nenhum outro lugar anda tão na moda quanto a Catedral Metropolitana, também na Plaza de Mayo. As 12 enormes colunas gregas na entrada dão ao templo católico ares de museu europeu, mas a bandeira do Vaticano repousa  sobre o altar lembrando a todos os visitantes - ou justificando a eles - a alegria que toma conta do país ultimamente. Na fila para o confessionário contei seis pessoas, um pouco menos do que na lojinha de souvenirs, já repleta de lembrancinhas relacionadas ao papa Francisco.

 

TARDE

 

Mais cedo ou mais tarde você pode acabar querendo fazer compras. Apesar de os preços não estarem tão convidativos como em 2011, o câmbio ainda nos favorece em alguns itens. E se calhar de estar na Calle Florida com seu cartão de crédito oferecendo amizade eterna ou com plata extra nos bolsos, talvez encontre boas ofertas em itens de couro ou de marcas badaladas nas Galerias Pacífico. Não faltam lojas para gastar por essa área turística. Mas, se o objetivo for mesmo compras, siga para os outlets de marcas famosas na Avenida Córdoba.

Antes ou depois, que tal matar a fome e a curiosidade conhecendo o café mais antigo (e clichê) de Buenos Aires? Inaugurado em 1858, o Café Tortoni (cafetortoni.com.ar) ostenta bustos de gente importante nas paredes, vitrais lindíssimos nas janelas e alguma poeira nos lustres. Tudo com um charme arrebatador. Vá de café (a partir de 16 pesos ou R$ 6) ou de cerveja (copo a 30 pesos ou R$ 11,50), para acompanhar o sanduíche especial de lomo(48 pesos ou R$ 18), ou seja: carne suculenta, bem à maneira argentina.

Após assistir a alguns artistas de rua bailando em busca de gorjetas na Calle Florida (atenção às bolsas e carteiras), continue na via até a Plaza General San Martín – que, por sinal. descansa no mausoléu na catedral, com direito a vigia de guardas emperiquitados – para um belo entardecer.

 

NOITE

 

E já que estamos em um dia clássico, à noite escolha entre um dos vários shows de tango pela cidade. Fui parar no El Querandí (650 pesos ou R$ 250, inclui jantar e vinho; querandi.com.ar), com bailarinos e cantores talentosos que se revezavam enquanto quatro bons músicos no palco faziam o público gostar do ritmo mais por conta da sua energia do que da dança. O Tango Porteño (tangoporteno.com.ar) é o maior e mais famoso show do tipo, com ingressos desde 230 pesos (R$ 88). Mas uma portenha da gema me garantiu que nunca se emocionou tanto como no Rojo Tango (rojotango.com), do luxuoso Faena Hotel (US$ 270), em Puerto Madero. Depois me conta se é tudo isso mesmo?

Mais conteúdo sobre:
Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.