2.

Dá para manter os planos sem estourar o cartão de crédito?

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2012 | 03h09

A primeira dica é não comprar toda a quantia de dólar que levará na viagem de uma só vez. "O turista não tem de ser especulador. Com a moeda vulnerável, vale mais comprar aos poucos, sem desespero", explica Samy Dana, professor da Escola de Economia da FGV-SP. Outra sugestão é ficar de olho em promoções de passagens em sites de busca, reservar a hospedagem com três meses de antecedência (o que, na verdade, deve sempre ser feito) e diminuir deslocamentos internos. Apesar do interesse por viagens ao exterior seguir no ritmo esperado também na Queensberry, nota-se que pacotes de menor duração têm ganhado a preferência. "Os clientes mantêm o destino escolhido e diminuem o tempo de permanência, optam por pacotes de 15 em vez de 20 dias. O que é uma ótima medida para manter a qualidade da viagem sem estourar o orçamento", diz Eby Piaskowy, diretora de marketing da operadora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.