2. Planejamento

A recomendação é começar o planejamento da viagem com no mínimo seis meses de antecedência

O Estado de S.Paulo

31 Maio 2016 | 04h10

A Belta, associação que reúne empresas do setor no Brasil, recomenda começar o planejamento da viagem com no mínimo seis meses de antecedência. Dessa forma, é possível, por exemplo, escolher a data de início do curso de acordo com o melhor preço de passagem aérea. “Quem está buscando economia não deve embarcar na alta temporada”, explica Bruno Passarelli, da startup Descubra o Mundo.

Fique atento: a alta temporada de um destino não é necessariamente o verão. Leve em conta também feriados e férias escolares. “De modo geral, a alta no Hemisfério Norte vai de junho a agosto. Em dezembro e janeiro, por causa das festas de fim de ano, há um impacto direto nos custos das passagens”, alerta Bruno.

Quer ir na alta de todo jeito? Ainda assim, quem se planeja tem mais chances de conseguir passagem aérea com melhores preços.  Planejamento significa pagar menos também pelo curso. Luiza Vianna, gerente de Produtos da CI, explica que várias escolas oferecem condições especiais – e, em alguns casos, dá para garantir o preço do curso antes dos reajustes que costumam ocorrer na virada do ano. Por outro lado, há escolas que colocam adicional de alta temporada no preço do pacote. Fique atento.

 É importante também fazer um cálculo médio de quanto você pretende gastar por dia com alimentação e transporte para não ser pego de surpresa. “Pense no valor do curso como um todo”, ensina Fernanda Zocchio Semeoni, da Experimento. 

Mais conteúdo sobre:
Intercâmbio Cultural

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.