Aryane Cararo/Estadão
Aryane Cararo/Estadão

3. Trem na Serra do Mar entre Curitiba e Morretes

Cidade tem passeios temáticos para quem quiser curtir um passeio de trem

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

Curitiba é, cada vez mais, a capital onde o apito do trem resiste e se reinventa no turismo. Além do clássico (e imperdível) trajeto sobre trilhos até Morretes, operado pela Serra Verde Express, a cidade acaba de ganhar outros dois passeios, o Expresso Classique e o Trilhos e Estrelas, lançados este ano em comemoração aos 20 anos da operadora. 

O Expresso Classique revive o glamour da década de 1930, fazendo um roteiro noturno dentro da própria cidade. O jantar, seu ponto alto, é servido dentro do trem, que também conta com música ao vivo, dança e charutaria (R$ 279; bit.ly/expressoclassique). Já o Trilhos e Estrelas terá sua primeira edição no dia 30 de setembro e levará os turistas de Curitiba a Morretes num trem de categoria turística, sempre com a participação especial de um artista na viagem – a primeira convidada será a cantora e youtuber Sofia Oliveira.

O pacote inclui almoço e show do artista em Morretes, com retorno rodoviário à capital (desde R$ 390 a inteira; bit.ly/trilhosestrelas). 

Mata Atlântica. O clássico passeio de trem até Morretes dura um dia inteiro e pode ser feito de muitas formas. A primeira delas é a bordo de vagões simples, com passagens para qualquer dia da semana, ida e volta ou só um dos trechos – os valores por trecho começam em R$ 99 (adulto). Também nos vagões mais simples é possível comprar o combo que dá direito a serviço de bordo e city tour por Morretes (incluindo almoço) e por Antonina, outra cidadezinha charmosa na costa do Paraná. Neste caso, há as opções classe turística, classe executiva e litorinas – desde R$ 269 adultos (crianças e idosos têm desconto). 

Cometemos o pecado da luxúria e embarcamos em uma das litorinas, o que valeu muitíssimo a pena, apesar do preço salgado. São duas opções, a Litorina Luxo e a Litorina Curitiba. Ambas saem aos fins de semana e feriados, mas têm configurações diferentes dentro dos vagões, dando mais ou menos privacidade. 

A Litorina Luxo tem vagões com decoração inspiradas na Mata Atlântica (batizada de Foz) ou nas calçadas cariocas (a Copacabana), com poltronas e sofás estofados que, de tão confortáveis, fazem as três horas de viagem passarem muito rápido – se bem que a paisagem vista das janelas panorâmicas é tão bonita que isso definitivamente não é um problema. Já a Litorina Curitiba tem assentos dispostos da forma tradicional, e não em lounges, o que a torna R$ 40 mais em conta, em média, por pessoa.

O serviço de bordo das litorinas é outro destaque: o café da manhã é servido assim que o trem começa a andar, bem quentinho, e as bebidas – dá para escolher entre refrigerante, café, cerveja e espumante – são servidas durante toda viagem, sem limites. Além disso, há sempre uma guia bilíngue dando informações históricas sobre a região.

É possível comprar passagem por trecho ou o pacote que dá direito ao city tour por Morretes (incluindo almoço no restaurante da Serra Verde, que serve o tradicional barreado) e por Antonina. Também inclui transfer do hotel na ida e na volta, feito numa van pela Estrada da Graciosa no fim da tarde (R$ 399 a Litorina Curitiba e R$ 439 a Litorina Luxo, com descontos para idosos e crianças). 

Em Morretes, aproveite para visitar diversas lojas de artesanato, restaurantes, sorveterias e cafés. Entre eles, chamou a atenção um espaço verde e gracioso batizado Bistrô da Vila, que vale a parada, no mínimo, pelo cafezinho, que pinga direto do coador. Já em Antonina, passe pela Igreja Nossa Senhora do Pilar, de onde se tem uma bela vista da cidade, e preste atenção às fachadas de algumas construções, com plaquinhas com letras de música. 

Mais conteúdo sobre:
Curitiba [PR]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.