A caixa de dormir e o voo das gargalhadas

Para grande surpresa de todos, nosso incontrolável correspondente enviou-nos suas notícias de Windhoek, na Namíbia, pouco mais de um mês após ter acompanhado a Copa do Mundo na vizinha África do Sul. É o próprio mr. Miles quem explica:

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2010 | 02h43

"Well, my friends, o fato é que, em nome de todos os que acompanham esta coluna, decidi conhecer de perto duas novidades muito curiosas que, agora, compartilho com vocês. A primeira chama-se Sleepbox e foi inventada por dois brilhantes arquitetos russos. Trata-se, literalmente, de uma caixa para dormir, já instalada em alguns aeroportos. Fui ter com a minha no Charles de Gaulle, onde há várias delas, side by side, de maneira surpreendentemente discreta.

Pudera! O recipiente tem apenas dois metros de comprimento por 1,40 metro de largura. Dentro dele, however, há uma cama, uma TV digital, sinal de Wi-Fi e um apoio para computador. Basta o interessado esgueirar-se pela porta e tirar a soneca que deseja. O mais interessante é que você aluga o cubículo por tempo. Desde 15 minutos - para quem tem sono instantâneo -, até, well, até quanto bem você quiser.

Fiz o teste por oito horas, enquanto aguardava um voo para Johannesburgo, local da outra experiência que vou narrar adiante.

Well: it worked! Minhas roupas ficaram ligeiramente amarfanhadas (foi um ato de contorcionismo despir-me), mas eis que dormi em pleno saguão do aeroporto de Paris, sem passar por aquele vexame típico de homens e mulheres que deitam-se sobre as malas e as cadeiras desconfortáveis dos terminais, roncando e babando em público.

Quanto à segunda parte de minha missão, foi com imenso prazer que redescobri o bom humor na aviação. Minha curiosidade nasceu durante a World Cup quando vi, taxiando no aeroporto, uma aeronave da Kulula Airways. A fuselagem era toda verde com frases incomuns usadas como ilustração. Por exemplo: o registro do avião (OK-PIK) era identificado como código de agente secreto. Sob a porta frontal, em perspectiva, havia um tapete branco desenhado, oferecendo um simpático welcome a quem o visse. Os desenhos externos também mostravam onde fica a galé do avião (food, food, food!), e outros detalhes do aparelho com observações sempre instigantes.

Decidi, therefore, voar Kulula rumo à Namíbia para descobrir se havia outras surpresas a bordo, embora se tratasse de uma empresa low cost. Pois durante o taxiamento, a comissária informou: "Por favor, prestem muita atenção aos avisos de segurança. Mais tarde faremos uma prova sobre o tema". E: "Se você for apanhado fumando, será convidado a deixar o avião. Aliás, há uma multa de 7.999 rands para quem fuma a bordo. Por este valor você poderia estar voando na South African Airways".

Logo a seguir: "No caso de perda de pressão na cabine, máscaras aparecerão automaticamente. Pare de gritar e vista a sua! Se você estiver acompanhado de uma criança, vista primeiro a sua e depois a dela. Se você tiver mais de uma criança com você, escolha a sua favorita". Mais adiante, durante o voo, a voz informa: "Ladies and gentlemen, vamos reduzir a iluminação da cabine. Para seu conforto e também para realçar as formas de nossas comissárias".

O funny flight prossegue no mesmo tom até o pouso. Não tenho espaço para contar as dezenas de piadas que nos transformaram em uma plateia às gargalhadas. Só não resisto a essa que ouvi no final: "Por favor, não se esqueçam de, ao sair, levar todos os seus pertences pessoais. Tudo o que for deixado será repartido, de forma equânime, entre a tripulação. Portanto, se você esquecer alguma coisa, faça o favor de que seja algo que vá nos agradar"."

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ESTEVE EM 132 PAÍSES E 7 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.