Marcos Müller/Estadão
Marcos Müller/Estadão

A Crimeia e suas atrações

Como sempre acontece em momentos de grandes comoções nacionais, mr. Miles resolveu dedicar a semana passada à Crimeia para ver como um país muda de dono de um dia para o outro. “Não vou adicionar a nova Crimeia russa aos países que já visitei porque estive antes nessa agradável península. Em 1945, quando ainda pertencia aos russos. E, of course, em 1954, quando Nikita Kruschev, depois de uma notável bebedeira, resolveu dar a Crimeia aos ucranianos, que, por sua vez, também pertenciam à União Soviética. Ou seja, my friends: o que se observa hoje é, em última análise, o fim de uma longa ressaca de 60 anos, mais uma vez provando que a mistura entre poder e bebida é capaz de mudar fronteiras.”

Mr. Miles,

24 Março 2014 | 17h13

A seguir, a pergunta da semana:

Caro mr. Miles: existem atrações turísticas na Crimeia? Até duas semanas atrás eu sequer tinha ouvido o nome dessa região.

Osvaldo Murilo Lemos, por e-mail

Well, my friend: a Crimeia tem tantas atrações que, ao longo dos tempos, já foi dominada por cimérios, citas, gregos, godos, hunos, casares, bizantinos, mongóis, venezianos, genoveses, russos, ucranianos e tártaros, entre outros povos. Você há de convir que ninguém desperdiçaria tanta munição por uma península sem atrativos. Besides, o próprio legado (my God, que palavra desgastada nowadays) de tantas civilizações distintas constitui-se, de per si, em um grande atrativo local.

Escrevo-lhe estas linhas tomando um ótimo espumante de Noviy Svet nas proximidades do belo Livadia Palace, antigo palácio de verão dos czares russos que ficou conhecido, as well, por ter sido sede da célebre conferência de Ialta, quando Roosevelt, Stalin e Churchill dividiram os países da Europa (ou o que havia sobrado deles...). Acompanhei Winston naquela viagem e vi de perto o tamanho de sua ira ao ter de entregar todo o Leste Europeu para Stalin, até porque as tropas russas já o haviam ocupado na prática.

Anyway, voltando à sua questão, quero lhe dizer que, além do próprio palácio de Livadia, há muito a ver, sentir e provar na terra dos crimeanos. Para começar, é um lugar de belas praias e vilarejos típicos. O que mais me agrada – e recomendo-o com entusiasmo – é Gurzuf, que fica entre Alushta e Partenit. Tem o clima e o astral da Riviera Francesa, águas quentes e limpas e, of course, a grande vantagem de ser frequentado por tártaros da Crimeia – e não franceses!

Os tártaros, aliás, são muito agradáveis, embora eu tenha dificuldade de conversar com eles. Unfortunately, não aprendi o tártaro da Crimeia e só consigo algum contato porque domino, modestamente, o idioma kypchak, que a ele se assemelha.

Nessa praia, como em Ialta e outras da península, você vai ver senhoras em trajes típicos vendendo um doce que lembra, no formato, uma flor: é o paklava, feito de finas fatias de massa simulando pétalas, frito, adoçado e coberto por nozes e mel. Vou levar um pacote deles para minha tia Charlotte, que vive em Newcastle.

Você pode levar uma porção de paklava e a boa vodka local (very cheap, by the way) quando for visitar uma das dezenas de cavernas de Crimeia ou o Bolshoi Canyon. Não: não se trata de um cânion repleto de habilidosos bailarinos. Em russo, bolshoi quer dizer ‘grande’, de modo que o lugar tem o mesmo nome do famoso Grand Canyon no Arizona.

A comida local é, também, muito gostosa e barata. Procure não deixar de visitar os restaurantes tártaros e provar um manti (espécie de ravióli recheado com carne de carneiro) com adjika (uma pasta feita à base da fortíssima pimenta local).

Quanto à ocupação russa, dear Oswald, presumo que ela foi bem acolhida. Vejo os crimeanos tranquilos, sorridentes, sem qualquer sinal de repulsa aos russos – que são a maioria da população. As I said before, tudo não passou de um grande porre. E, como tal, deveria ser elegantemente esquecido. Do you know what I mean?”

*É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Mais conteúdo sobre:
Mr. Miles, Crimeia, Ucrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.