A diferença está nos detalhes

Ligeiramente contrariado, nosso adorável viajante teve de apagar de sua agenda a festa de Natal da rainha Elizabeth II, anteriormente marcada para o dia 13 de dezembro. Mr. Miles era um dos 1.200 convivas do tradicional evento real que a soberana houve por bem cancelar, para mostrar solidariedade às privações que muitos de seus súditos estão passando em virtude dos profundos cortes nos gastos públicos promovidos pelo governo inglês. Embora as 50 mil libras previstas para o banquete natalino viessem diretamente da conta corrente da monarca, a maioria dos cidadãos britânicos considerou o gesto exemplar.

Mr. Miles, o homem mais viajado do mundo, O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2010 | 01h34

De volta da Itália, nosso correspondente encontrou, como previa, sua caixa postal entupida com mensagens contrárias e favoráveis ao rompimento da quarentena que ele se auto-impôs, como represália individual à xenofobia de Estado praticada naquele país. "I"m very sorry, my friends, mas sou ambíguo e contraditório como quase todos nós. Por isso resolvi que a Itália vale muito mais do que seus ignóbeis governantes."

A seguir, a pergunta da semana:

Querido mr. Miles: já fiz alguns cruzeiros e agora gostaria de viajar em um navio realmente luxuoso. Sei que o conceito de luxo é um pouco subjetivo, mas como faço para diferenciar o especial do realmente especial?

Sílvia Contador, por e-mail

"Well, my dear, você já deve ter ouvido a expressão "Deus está nos detalhes". Frase, a meu ver, grandiloquente demais, com o significado de que as grandes diferenças encontram-se nos pormenores.

Nem todos se importam com isso e muitos sequer chegam a perceber essas - com o perdão da palavra - minudências. Nevertheless, elas realmente existem. Meu amigo Douglas Ward, que, ano após ano, produz um guia detalhado de avaliação de todos os navios de cruzeiro, está sempre atento à questão. Ward já fez cerca de mil cruzeiros (não a moeda, a viagem) durante sua vida e orgulha-se de passar oito meses por ano embarcado. Ele é tão habituado ao balanço do mar que precisa usar adesivos especiais para não enjoar em terra firme. Mas, in fact, conhece tudo sobre o setor.

Ainda outro dia, numa conversa de bar, Ward comentou comigo que certo navio iria perder pontos no próximo guia porque aderiu aos sachês de açúcar. "Isto é uma praga que está derrubando antigos baluartes do serviço impecável", lamentou Ward, lembrando que hoje é possível contar nos dedos das mãos as embarcações que ainda oferecem açucareiros para seus passageiros. O mestre dos cruzeiros também considera intolerável que um navio de luxo sirva café em canecas de plástico, com pauzinhos de madeira na função de colheres. "Nos cruzeiros verdadeiramente primorosos, Miles, o café vem em xícaras de porcelana chinesa, acompanhadas por colheres de prata."

Sua lista de detalhes notáveis inclui toalhas de pano nos banheiros públicos do navio, no lugar das práticas, mas "definitely ordinary" toalhas de papel; flores frescas em todo o navio, mesmo quando em alto mar; suportes para copo em linho e jamais em papel e outras minúcias que revelam o comprometimento da companhia com o nível de exigência de seus passageiros.

Não sei, darling, se você é uma viajante exigente a esse ponto ou, como eu, satisfaz-se com um navio bem equipado e, by the way, sem multidões ruidosas. Em ambos os casos, você encontrará o que procura. Basta pesquisar com profissionais que entendem de viagens marítimas."

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ESTEVE EM 132 PAÍSES E 7 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.