A mais bela carona de suas vidas

miles@estadao.com

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

29 Março 2016 | 03h00

Nosso glorioso viajante e correspondente, o sempre solerte Mr. Miles, informa que, na companhia de sua mascote Trashie, a raposa das estepes siberianas, acaba de abrir um valioso single malt da Ilha de Islay para comemorar o fato de que, segundo suas contas, esta é a crônica de número 600 na ainda curta história de sua relação com os leitores do bravo matutino. “Números, as you know, são apenas marcos”, disse Mr. Miles. “O surpreendente, my friends é que, depois de tudo isso, ainda julgo que tenho um número interminável de histórias para lhes contar.” A seguir, a correspondência da semana:

Prezado Mr. Miles: o que faz um lugar ser considerado um achado ou, como dizem outros, um segredo?

Paulo Severo Ramos, por e-mail

Well, my friend, sua pergunta é pertinente e vou tentar respondê-la com um exemplo que considero esclarecedor.

Não sei se você já esteve em Roma, mas existe um caminho, muito estreito e recortado, que quase todo mundo faz quando visita a cidade dos césares. Trata-se da reunião de múltiplas vias e piazze (ruas e praças) que, sem pedir permissão aos tempos, une múltiplas atrações romanas de eras distintas. Digamos que você comece na Fontana di Trevi, a grande obra de Nicola Salvi, inaugurada em 1762. Depois de, of course, jogar sua moeda, você pega o rumo sul em direção ao Pantheon, o impressionante templo inaugurado no ano 126 pelo Imperador Adriano, que se situa na Piazza della Rotonda. É o caminho que todos fazem.

Atordoado pelo gigantesco vão livre bimilenar que, my God, ainda tem um óculo extraordinário no centro de sua cúpula, seu trajeto seguirá, naturalmente, para as fontes da Piazza Navona, obras incomparáveis de Bernini no antigo Estádio de Domiciano, outrora usada para corrida de bigas.

Yes, dear Paul: isto feito, você terá completado um roteiro extraordinário que passou por séculos, estilos, ideias e crenças.

Nevertheless, assim como o de quase todos os circunstantes, seu caminho terá passado ao largo de um dos grandes tesouros romanos. No momento em que você estiver cruzando a pequena Piazza di San Luigi dei Francesi (Praça de São Luiz dos Franceses), uma igreja pouco charmosa e quase nada imponente terá ficado à sua esquerda. Ok: há tantas igrejas em Roma, que, for sure, ninguém há de visitar todas elas...

Ocorre que, na parede à esquerda do altar da igreja erguida em 1589, estão ocultas três das mais importantes obras do mestre do claro-escuro Michelangelo Merise, mais conhecido como Caravaggio.

Tenho grandes amigos que ficam arrepiados à simples menção do nome do artista, que parecia possuir refletores internos a jogar luzes mágicas em seus quadros. Eis, portanto, o que é um achado, ou um segredo (menos secreto agora, I hope). As telas têm o nome de O chamado de Mateus, A Inspiração de São Mateus e O Martírio de São Mateus. Confesso que eu mesmo chorei copiosamente pelo simples ato de observá-las com a mente aberta.

Mais curioso ainda: as telas ficam sempre no escuro. Apenas os que sabem de sua existência e têm 1 euro no bolso podem vê-las. A moeda permite que a luz da igreja se acenda e ilumine o que já é por si iluminado.

Certa vez, ao revisitar o templo, notei a presença de dezenas de jovens sentados, aparentemente em contrição. How wrong I was! Os rapazes e moças, com os poucos recursos que quase todos têm nessa idade, rezavam mesmo é para que alguém depositasse 1 euro na caixa com o disjuntor de luz. E, of course, pegavam assim a mais bela das caronas de sua vidas. Do it yourself, dear Paul.

*MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO.ELE ESTEVE EM 312 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Mais conteúdo sobre:
Fontana Yes Caravaggio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.