Evelin Fomin/AE
Evelin Fomin/AE

À mesa, o sotaque da região sul

Empórios e boulangeries são opção ao roteiro de restaurantes

Evelin Fomin, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2009 | 02h15

Os empórios e mercados de produtos frescos de Montpellier não conseguem evitar que o visitante interessado em culinária típica sinta uma pontinha de decepção. A capital de Languedoc-Roussillon tem a oferecer os mesmo ingredientes e pratos encontrados em todo o sul da França. Ou seja, nada que seja originalmente dali.

O que não significa que a cidade frustre a expectativa de comer bem. Empórios e boulangeries, como a Le Vieux Four Saint Anne, têm uma respeitável variedade de quitutes. Bem como os mercados, aos pés do Aqueduto Arceaux, na Place de la Comedie.

Ao longo do distrito de Antigone enfileira-se uma variedade de produtos frescos. As lojas vendem mel de Cévennes, pélardon (queijo de cabra), pérail (queijo cremoso de ovelha), cogumelos de Les Causses, azeitonas do tipo Lucques e os crocantes e dourados oreilletes, massa leve e frita feita com ovos, farinha, açúcar e uma colher de flor de laranjeira ou rum.

 

Veja também:

linkMontpellier vai fazer você se apaixonar

linkHerança milenar nas ruas de Nîmes

linkCarcassonne, a cidade que não cabe em si

linkA primeira filha de Roma e um autêntico château

Com esses ingredientes tipicamente sulistas são preparados os pratos nos bons restaurantes de Montpellier. Caso do Jardin des Sens, dos irmãos Jacques e Laurent Pourcel - com duas estrelas no Guia Michelin - e o Cellier Morel Maizon de la Lozère, dos chefs Eric Cellier e Piere Morel.

Lugares sem grife, mas não menos charmosos, estão espalhados pela Rue des Teissiers, na cidade velha. Na Place Saint Ravy fica o simpático Le Carré, único restaurante aberto depois das 20 horas de domingo.

Uma combinação interessante entre design e gastronomia mediterrânea você vai encontrar no Divine & Sens, bem na frente da prefeitura e da Place des Martyrs de la Resistance, um silo medieval decorado pela moderna Agnés Wernert, que adora música brasileira.

Para acompanhar, vinhos de Languedoc, a maior região produtora da bebida na França, em área. Seus vinhedos ocupam três vezes o espaço cultivado de Bordeaux. Prove o Grés de Montpellier, o Fugères, o Pic Saint Loup e o Saint-Chinian, com forte identificação mediterrânea e ótima relação custo-benefício. EVELIN FOMIN

linkJardin de Sens: www.jardindessens.com

linkCellier Morel Maizon de la Lozère: www.celliermorel.com

linkLe Carré: www.le-carre-montpellier.com

linkDivine & Sens: www.divine-et-sens.fr

 

COMO IR

 

PASSAGEM AÉREA

O trecho de ida e volta entre São Paulo e Montpellier custa a partir de R$ 2.813 na Air France (4003-9955; www.airfrance.com.br)

PACOTES*

linkUS$ 1.646: 6 noites entre as cidades de Nîmes, Montpellier e Carcassonne. Com direito a café da manhã e aluguel de carro. Na Bon Voyage (0--11-3258-6522; www.bonvoyagetur.com.br)

linkUS$ 1.785: 6 noites entre Nîmes, Carcassonne e Montpellier. Inclui aluguel de carro. Na Soft Travel (0--11-3017-9999; www.softtravel.com.br)

linkUS$ 2.172: 3 noites em Carcassonne, com direito a café da manhã e aluguel de carro.

linkNa Interpoint (0--11-3087-9400; www.interpoint.com.br) US$ 3.394: 5 noites entre Nîmes, Montpellier e Carcassonne. Inclui café da manhã, passes de trem e aluguel de carro. Com a Tereza Ferrari (0--11- 3021-1699; www.terezaferrariviagens.com.br)

*Os preços são os mínimos cobrados por pessoa em quarto duplo, com passagem aérea incluída

Mais conteúdo sobre:
Viagem França Montpellier

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.