Mônica Manir/Estadão
Mônica Manir/Estadão

A noite é uma adulta

Na Cidade do Cabo, todas as tribos se encontram em Long Street

Mônica Manir/Cidade do Cabo, O Estado de S. Paulo

06 Dezembro 2016 | 04h30

Long Street é a parada para quem quer conhecer a noite da Cidade do Cabo. Fica no Central Business District, ou CBD, e ostenta prédios em estilo vitoriano superiluminados. É um lugar interessante para perceber as tribos que mapeiam a cidade. Enquanto na esquina do Cappello negros e negras descem ao chão numa espécie de kuduro estonteante, na diagonal desse prédio descendentes de holandeses e britânicos fazem levantamento de copo na Beerhouse, que oferece 99 marcas de cerveja e uma varanda comprida. Na mesma calçada está a 169, a casa noturna mais barulhenta do pedaço, com seu R&B e uma varanda comprida também, que permite acompanhar e paquerar quem passa lá embaixo. 

Já De Waterkant é o hub para fashionistas. Lembra Greenwich Village, em Nova York. Gays gostam muito do lugar, com uma megaoferta de bares e casas noturnas. A redondeza confirma quão receptiva é a cidade à comunidade LGBTs. Em Camps Bay e a pegada é mais sofisticada e atraente para as celebridades. Leonardo di Caprio lá esteve. E Scarlet Johansson. E Charlize Theron. E o príncipe Harrry. O Café Caprice, com sua cultuada carta de drinques, é o preferido deles. Mas faça reserva porque a fila costuma ser grande.

Seja em que ponto estiver, nas altas horas da noite recomenda-se cuidado com carteiras e celulares. Policiais com walkie talkie rondam as áreas de maior aglomeração, mas por precaução saia como faria em qualquer cidade grande do Brasil: apenas com o essencial. 

Mais conteúdo sobre:
África do Sul África África do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.