A polêmica questão dos países

Nosso correspondente britânico e sua cadela Trashie, a raposa das estepes siberianas, já regularizaram o estoque de sua despensa de whiskies e single malts. Sem conhecer o seu próximo destino, vamos à correspondência da semana:

O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2014 | 02h06

Sinto informar-lhe: Mr. Miles não é o homem (como ser humano) mais viajado do mundo. Mongólia foi o meu 230º país visitado (segundo a contagem do Travelers Century Club). Dia desses, voltando do Catar, pela Qatar Airways, tive a oportunidade de ler, a bordo, a divertida coluna do very clever personagem mr. Miles. Acontece que a afirmação no rodapé da coluna, "É o homem mais viajado do mundo...", é um tanto enfática, visto que nunca foi feita uma pesquisa, entre os viajantes, que comprovasse essa assertiva. Acredito que a informação sobre "mr.Miles", apesar de fictícia, seria mais modesta se fosse colocada como: "É um dos homens mais viajados do mundo...".

Márcia Pavarini, por e-mail

"Well, congratulations, my dear! Duzentos e trinta países é um número e tanto!

Mas, como você sabe, não sou um colecionador de países. Apenas um interminável viajante em busca de emoções e conhecimentos. Esse epíteto de "o homem mais viajado do mundo" foi-me atribuído, anos atrás, pelo San Francisco Chronicle. E, como já tive a oportunidade de confessar neste mesmo espaço, foi apenas um pretexto para marcar um novo encontro com a linda jornalista que me entrevistou sobre a arte de viajar. Ao informar-lhe que não sabia quantos países havia visitado, prometi um levantamento em dois dias. Shame on me!

Escolhi um número qualquer apenas para revê-la, em uma noite que, I must say, acabou inesquecível.

Como nunca fui de colocar alfinetes em um mapa-múndi, eu realmente não tinha ideia de quantos países havia visitado. Até porque, my dear, viajar não significa colocar um pé (ou mesmo os dois) em um território qualquer para agregá-lo às estatísticas pessoais. Viajo e viajei muito. Mas, I'm sorry to say, são poucos os países que considero conhecidos. Ainda espero voltar a eles muitas vezes para conquistar sua intimidade e ouvir os seus segredos.

Anyway, darling, há algum tempo, sempre instado por leitores como você, fui à casa de minha tia Harriet, que tem o mapa-múndi mais atualizado que conheço.

Passei uma tarde inteira vendo os lugares e comparando-os com as minhas lembranças. Qual não foi a minha surpresa ao descobrir que, in fact, eu já estive mesmo em todos os países modernos, além de ter visitado muitos deles quando tinham outros nomes. Por exemplo: fui a Burkina Faso e fui, antes, a Alto Volta, que vem a ser o mesmo lugar.

However, lendo a relação de países mencionados pelo Travelers Century Club, que mistura países, regiões, ilhas avulsas, territórios pouco explorados e muitos mais, acho que deveria adicionar mais uns cem "países" no rodapé desta página. Tomo a liberdade de reproduzir, abaixo, alguns dos considerados países pelo seu Club: Ajman, Andaman-Nicobar, Atafu, Cabinda, Ilhas Canárias, Corfu, Córsega, Egito da Ásia e Egito da África, Fernando de Noronha, Fujeirah, Ilha Hainan, Irian Jaya, Ilha de Man, Kalaalit Nunaat, Kalimantan, Lakshadweep, Lampedusa, Lord Howe Island, Mayotte, Nakhichevan, Nueva Esparta, Niue, Nukualofa, Nunaat, Ogasawara, Ras al Khaimah, Sharjah, Srpska, Trans Dniester, Umm al Qaiwain, Ilha de Wake e Zil Elwannyen Sesel.

Do you know what I mean?"

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO.

ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E

16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.