A primeira filha de Roma e um autêntico château

O Horreum, antigo armazém construído no fim do século 1.º a.C., leva quase sozinho a responsabilidade de comprovar a origem romana de Narbonne (um trecho da Via Domitia também se mantém intacto). Isso em uma cidade que ficou conhecida como "primeira filha de Roma", fundada em 118 a.C. Ainda que os resquícios do passado tenham desaparecido, as ruas repletas de lojas e empórios convidam a uma parada - faça isso quando estiver a caminho de Carcassonne, no sul. E gaste um dia inteiro entre passeios e, é claro, compras.

Evelin Fomin, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2009 | 02h14

 

Veja também:

linkMontpellier vai fazer você se apaixonar

linkÀ mesa, o sotaque da região sul

linkHerança milenar nas ruas de Nîmes

linkCarcassonne, a cidade que não cabe em si

Comece a visita a essa cidade de 56 mil habitantes, a 85 quilômetros de Montpellier, pela Catedral Saint-Just e Saint-Pasteur e pelo Palácio dos Arcebispos. Os dois monumentos são marcos que remetem à vitória da Igreja Católica contra o movimento cátaro, considerado herético durante o período medieval.

No Halles, mercado municipal inaugurado em 1901, os cafés preparam na hora (e por menos de 10 euros ou R$ 26) uma saudável refeição à francesa, com os produtos frescos que você comprou lá mesmo. Curiosidade: enquanto devoram refeições tão bem servidas quanto os pratos-feitos brasileiros, homens no balcão discutem a respeito do esporte preferido por ali, o rúgbi.

Os esportes náuticos são outra paixão. Graças aos ventos favoráveis em qualquer época do ano, Narbonne já foi eleita a estação náutica francesa. Um dos pontos mais charmosos da cidade, aliás, é a Ponte Merchant, uma das poucas na França que mantêm casas sobre sua estrutura.

A dez minutos do centro, permita-se uma experiência em um autêntico château. Transformado em hotel sob medida para agradar aos gostos mais exigentes e aos frequentadores do circuito do vinho, o L?Hospitalet (00--33- 4-6845-2850) fica na Cordilheira La Clape, diante de vinhedos a perder de vista.

Todos os ambientes têm janelas voltadas para paisagens de tirar o fôlego. Fique ao menos uma noite - e não deixe de participar da degustação de vinhos produzidos por Gérard Bertrand, conduzida por Anne-Sophie Ortiz, que fala espanhol e inglês. Diária: 110 euros (R$ 288).

Mais conteúdo sobre:
Viagem França Nîmes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.