A rivalidade vale mais que o primeiro lugar

Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) alimentam a disputa pelo título de maior São João do Mundo. Quanto maior a festa, melhor. Ganham as duas e os 2 milhões de visitantes

Andréa Oliveira, ESPECIAL PARA O ESTADO,

28 Maio 2010 | 07h45

Caruaru (foto no alto) e Campina Grande (acima). Shows e quadrilhas para curtir a noite inteira. Fotos: Roberto França e César de Cesário/Divulgação 

 

 

Tudo é superlativo quando o assunto é festa junina em Campina Grande, na Paraíba, e Caruaru, em Pernambuco. As duas cidades, distantes 149 quilômetros uma da outra, travam no mês de junho uma disputa que, midiática ou não, já virou tradição na história dos festejos populares do Nordeste.

 

O formato da festa é o mesmo: grandes shows de artistas renomados e palcos menores para nomes locais. Diversas atrações integram as duas programações, por isso, alguns espetáculos até se revezam entre elas. Mas, a cada ano, as cidades apostam em diferenciais para merecer o título de Maior São João do Mundo. Ambas esperam um público de 2 milhões de pessoas.

 

Campina Grande investiu em tecnologia para levar o título: quem for ao Parque do Povo, uma arena de 42,5 mil metros quadrados no centro da cidade cercada por câmeras de segurança, terá acesso gratuito a internet sem fio (Wi-Fi) e poderá receber no celular, de graça, a programação do dia seguinte. Os shows do palco principal serão transmitidos ao vivo pelo http://www.saojoaodecampina.pb.gov.br/.

 

 

Veja também:

Mossoró aposta na variedade e corre por fora

Acordes embalam frio no agreste de Pernambuco

Para viver de brisa no Piauí

Diamantina, fascinação de pedra preciosa

 

 

E, se em toda quadrilha que se preze tem um casamento de mentirinha, Campina Grande promoverá um de verdade. Coletivo, vai unir oficialmente 120 casais. A cerimônia está marcada para a véspera do dia de Santo Antônio por um bom motivo: 12 de junho é o Dia dos Namorados.

 

Atração consagrada na festa paraibana, o Trem do Forró funciona a partir de 5 de junho. Aos sábados e domingos, parte da Estação Velha para o Distrito de Galante. Trios animam o trajeto de uma hora e meia.

 

Nesta briga pelo título de Maior São João, Caruaru (http://www.caruaru.pe.gov.br/) aposta na tradição. O destaque deste ano será o Maior Baião do Mundo, um grande encontro musical na noite de São João, em 23 de junho. No palco principal, reúnem-se Zélia Duncan, Lenine, Paulinho Moska, Luiza Possi, Ortinho e Junio Barreto. A fidelidade às raízes será destacada em forma de homenagem a quatro personagens-símbolo da cidade: o poeta Rafael de Barros, os humoristas Ludugero e Otropi e o instrumentista Tavares da Gaita.  

 

 

Megaevento. Para dar mais graça e jovialidade às festas, os grupo de forró passaram a usar efeitos de luz e coreografias mais afinadas com a atualidade. Carlos Costa/Divulgação

 

De acordo com a programação divulgada, há empate no tamanho das festas, que vão durar em torno de um mês. Em Caruaru, começa em 28 de maio e segue até 29 de junho. Em Campina Grande, vai de 4 de junho a 4 de julho. Só o futebol poderá mudar esse quadro, pois a programação paraibana terá sete dias a mais caso a seleção brasileira chegue à final da Copa do Mundo.

 

Bom para todos. Para integrar os megaeventos que as duas cidades oferecem, muitos precisaram se adaptar. As roupas das quadrilhas, por exemplo, ganharam brilhos e adereços para fazer melhor figura diante das câmeras de TV. Os grupos de forró passaram a usar efeitos de luzes e coreografias mais afinadas com o som da moda.

 

O que não muda, segundo alguns estudiosos, é o caráter popular da festa. “Os eventos são todos gratuitos e o povo participa”, explica o historiador pernambucano João Francisco Barbosa. Quanto à rivalidade, ele diz que a “brincadeira” é positiva para todos. “Fortalece a economia de toda a região.” É um excelente pretexto para visitar as duas cidades nordestinas e tirar isso à prova. E melhor: pela falta de uma opinião definitiva, ter de voltar no ano seguinte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.