Fernando Victorino @ComoViaja
Fernando Victorino @ComoViaja
PUBLICIDADE

‘Acampamento’ para interagir com a natureza

Com bangalôs sobre palafitas e passeios na natureza, o Juma Amazon Lodge está localizado a quatro horas de Manaus

Nathalia Molina, Especial para o Estadão

20 de março de 2022 | 05h00

Quem fica uma semana em hotéis de selva costuma ganhar o direito de dormir uma noite na floresta. Mesmo que o viajante se hospede por menos dias no Juma Amazon Lodge, a sensação de estar inserido no bioma acompanha os viajantes desde a saída da capital amazonense. Entre trechos terrestres e fluviais, o percurso de cerca de quatro horas corta o Encontro das Águas (onde o barrento Solimões recebe o Negro para seguirem juntos como Rio Amazonas), estrada de terra e vários cursos até chegar ao Rio Juma.

O check-in é feito ao sabor de suco de cupuaçu, a fruta típica da Amazônia. Construído entre copas de árvores e sobre palafitas, para se adequar ao sobe e desce do rio conforme a época, o Juma Amazon Lodge possui bangalôs conectados por passarelas, no quais funcionam a recepção, o restaurante e os quartos. Dependendo do ponto onde se está é possível apreciar o nascer ou o pôr do sol.

Toda a estrutura está erguida sobre palafitas, a 15 metros de altura do rio. Lembre-se, você está entre as copas das árvores, na Floresta Amazônica, então é fácil ver espécies locais coabitando o espaço que casais, famílias e amigos escolheram para curtir o lado selvagem da vida. Alguns animais já fazem parte do convívio local, como a macaca Anitta.

Parte dos bangalôs do Juma Amazon Lodge tem vista para a floresta, uns para o rio. Há uma unidade familiar diante das águas do Juma e também um panorâmico, onde ficamos. Ele é o maior entre todos os 19, com 96m² e totalmente reservado. Em vez de vidro, o espaço das janelas é preenchido por tela. Barra o máximo de insetos possível, mas não a linda visão da natureza.

Não há TV, frigobar nem ar. Um ventilador de teto e um de pé têm a missão de arrefecer o calor amazônico. Placas solares garantem geração de energia e água aquecida (e quem precisa?).

Mesmo grupo nos passeios e nas refeições

Como é comum em hotéis de selva, o Juma Amazon Lodge mantém uma programação de acordo com o número de noites de hospedagem. O sistema funciona como uma espécie de "acampamento", com refeições de horário definido, e um mesmo guia acompanhando o mesmo grupo de viajantes durante todo o tempo de hospedagem. Com eles você sai para fazer passeios e atividades em horários determinados. Com eles você também faz todas as refeições, em mesa coletiva.

Numa das saídas de barco, fomos até a mata, para uma longa caminhada interpretativa. Sugestão: vá de camiseta e calça compridas, de preferência de tecido próprio para exercício, porque seca mais facilmente. Use tênis ou bota e não esqueça de levar protetor solar e chapéu. Faça uso do cantil de água que eles dão a cada hóspede no check-in. E o principal: siga os avisos do seu guia, que é morador da região e te previne de perigos e surpresas. Mais do que nunca, faça como os locais.

Os passeios do Juma Lodge ajudam a enxergar a natureza bruta e bela. É impossível retornar ao hotel da mesma forma após um dos tours. Em meio a um impressionante banho de floresta, nos deparamos ainda com a sabedoria dos guias e caboclinhos visitados.

Quanto custa

Juma Amazon Lodge

Uma noite sai a partir de R$ 2.432 por pessoa em quarto duplo (preço válido de fevereiro a junho). Inclui pensão completa, atividades e traslados.

Tudo o que sabemos sobre:
Floresta Amazônicahotelturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.