Natália Zonta/AE
Natália Zonta/AE

Acervo ampliado em Londres

Inspiração. Quando abriu pela primeira vez em 1852, a missão do Victoria & Albert Museum, em Londres, era a de inspirar designers, artesãos e artistas. Agora, com novíssimas galerias, o museu espera atrair visitantes em um passeio através dos séculos.

Pam Kent, The New York Times

02 Fevereiro 2010 | 13h35

 

Mestres. Cadernos de Leonardo da Vinci, altares góticos e um espaço dedicado ao mestre italiano Donatello estão entre os tesouros em exposição nas dez novas salas medievais e renascentistas. Em todas, mais de mil anos de história – da queda do Império Romano ao fim do Renascimento – espalhados em três andares e mais de 35 mil metros quadrados na asa leste do museu.

 

Novidades. Construídas ao longo de sete anos, as novas galerias abrigam 1.800 peças, organizadas por ordem cronológica e tema. Inauguradas em dezembro, incluem centenas de itens do acervo nunca antes exibidos porque precisavam de manutenção e restauro.

 

"Muitas peças não foram expostas ao longo dos últimos 25 a 30 anos também porque necessitávamos de espaço", disse Moira Gemmil, diretora de Projetos do museu.

 

Relíquia. A janela de pedra de arquitetura românica da região francesa de Trie-Château, do século 12, por exemplo, ficou guardada desde 1983 porque "não havia lugar para ela". Agora o museu pode exibir a raríssima peça, e, segundo Gemmil, "situá-la na linha do tempo".

 

Interatividade. Etiquetas explicativas foram reduzidas ao mínimo. As informações são complementadas por telas de computador interativas (você pode "folhear" os cadernos de Da Vinci). "Queremos que os objetos expostos tenham total destaque", disse a diretora de Projetos. "E não que fiquem abarrotados de gráficos e explicações ao redor."

 

Objetos peculiares. Na ala dedicada ao estilo de vida no Renascimento, observando atentamente, o visitante descobre peculiaridades. Como um copo, de 1570, dotado de um canudinho que, quando soprado, move os ponteiros de um relógio. O truque, aparentemente, era beber enquanto o relógio se movia. Falhar nesta tarefa significava que o bebedor deveria consumir número de copos equivalente ao que faltava para o ponteiro completar uma volta ao mostrador.

 

Mais informações e horários: www.vam.ac.uk  Entrada gratuita. PAM KENT, THE NEW YORK TIMES

Mais conteúdo sobre:
Londres Viagem&Aventura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.