Acordo Brasil- Espanha: leve cópia do comunicado

Apenas dois meses depois de implementada a política de reciprocidade de entrada de turistas, a Espanha abrandou suas exigências. Note, porém, que a maioria dos requisitos continua como antes: para entrar no país é preciso ter passagem de volta e reservas de hotel por todo o período.

Ricardo Freire,

12 Junho 2012 | 03h08

As novidades são a assistência diplomática aos barrados e a simplificação da exigência da carta-convite, que agora não precisa mais ser registrada em cartório: basta que constem a identidade e o endereço do anfitrião. O que não se sabe é quanto tempo levará para os agentes de imigração passarem a ver os brasileiros não como clandestinos potenciais, mas como turistas legítimos. Pelo sim, pelo não, leve com você uma cópia do comunicado oficial do acordo. Imprima em migre.me/9pfO1.

* Acompanhe o caminho do colunista em viajenaviagem.com

Viaje na pergunta

Qual a melhor época para ir a Foz do Iguaçu, tendo em vista o volume de águas nas cascatas? (Ana Eugênia, Santo André).

No verão, todas as quedas têm vazão, mas a Garganta do Diabo estará parcialmente coberta pelo spray. No meio do ano, com pouca chuva, algumas cascatas estarão secas, mas a água estará branquinha e a Garganta do Diabo, bem delineada. Em julho e agosto faz frio; no verão, o calor é escaldante.

É verdade que os cartões tipo travel money cobram uma taxa quando a operação é feita em outra moeda? (Gustavo, São Paulo).

Sim. Se você carregou o seu cartão de débito em euros e fizer saques ou gastos em coroas suecas ou florins húngaros, o cartão cobrará uma taxa de 4 a 5% pela operação de câmbio. É uma perda muito parecida com a que você teria caso trocasse seus euros cash numa casa de câmbio física.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.