Gran Hotel Termas do Chillán
Gran Hotel Termas do Chillán
Imagem Mônica Nobrega
Colunista
Mônica Nobrega
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Adoráveis crianças das neves

Friozão não admite improvisos. Invista nas roupas certas

Mônica Nobrega, O Estado de S. Paulo

17 de julho de 2018 | 03h00

Ao ler a matéria principal desta edição, sobre a estação de esqui de Valle Nevado, você talvez se pergunte: e com criança, é tranquilo ir a uma estação de esqui? 

Note: estamos falando de temperaturas que nunca chegam aos dois dígitos positivos, mas que quase com certeza atingirão os dois negativos. De altitudes que estrangulam a respiração. Neste cenário, tranquilo não é bem a palavra. Mas possível, sim. Gostoso e divertido, também. Ou as famílias não estariam entre os principais alvos da publicidade, dos investimentos e das promoções dos destinos de neve. 

Aliás, talvez até exista algum exemplo menos divulgado por aí, mas o fato é que nunca soube de nenhuma estação de esportes de inverno que levante a bandeira discriminatória do “não aceitamos crianças”. Pessoal que não suporta a ideia de ver ou ouvir uma criança nas férias, lamento informar que a neve não é para vocês. 

Já o contrário existe aos montes: estações que dão descontos generosos para famílias. Nos Estados Unidos, a badalada Aspen Snowmass, por exemplo, dará ski passes gratuitos na próxima temporada para crianças de até 12 anos que alugarem os equipamentos em uma das quatro montanhas do complexo. A oferta é válida de 1.º de janeiro a 21 de abril de 2019, na proporção de um ski pass por dia de aluguel de equipamento: bit.ly/kidsfreeas.

No inverno da Suíça, as pistas da montanha Jungfrau (20 quilômetros em média da cidade de Interlaken) deram gratuitamente, nas últimas temporadas, três ski passes a crianças de até 15 anos para cada adulto pagante aos sábados. Fique de olho: jungfrauregion.swiss/en.

Incentivo entusiasmadamente que você leve suas crianças para as montanhas nevadas. Basta investir num preparo prévio mais minucioso.

Aclimatação. Altitudes elevadas causam mal estar a boa parte dos viajantes. É só falta de hábito – em geral, passa rápido. Para reduzir o incômodo das crianças, há dois caminhos possíveis. Um deles é escolher estações de esportes de inverno que estão a altitudes mais moderadas. É o caso de Corralco, no Chile (entre 1.500 e 2.300 metros) e de Megève, na França (entre 1.000 e 2.500 metros). O outro, que acho mais interessante, é ir mesmo para o destino que vocês quiserem e deixar a primeira noite e o primeiro dia inteiro para que o corpo se adapte, sem atividades. 

Aulas. São um gasto considerável, mas determinante para o sucesso da viagem. Crianças que nunca esquiaram precisam de pelo menos três aulas. Pense nisso como um investimento: esquiar é como andar de bicicleta, não se esquece mais. 

Outras atividades. Escolha um destino com boa estrutura de lazer indoor – vai fazer toda a diferença nos dias em que não for possível ficar ao ar livre, como nas nevascas. Leve de casa o tablet abastecido com filmes e games, além livros e até brinquedos. 

Mala. O guarda-roupa de inverno brasileiro não serve para quase nada no inverno de verdade – no máximo para usar nos ambientes com aquecimento. Leve a sério a necessidade de ter roupas adequadas para as crianças (e para a família toda): blusas e calças do tipo segunda pele térmicas, blusas e cachecol de fleece, calça e jaqueta impermeáveis (estas dá para alugar), gorros forrados, meias térmicas, botas impermeáveis forradas. Não sai barato e quase nada tem utilidade no dia a dia da criança no Brasil; peça emprestado tudo o que puder. O custo de viajar com uma mala cheia de peças inadequadas é não aproveitar nada daquilo que estiver ao ar livre. 

Ah, sim: sem luvas impermeáveis seu filho não vai conseguir fazer o que mais quer, enfiar a mão na neve e construir um boneco.

*Envie sua pergunta para viagem.estado@estadao.com.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.