Thiago Momm/Estadão
Thiago Momm/Estadão

Águas calmas e ventos ideais para windsurfe em Bonaire

Clima sempre quente, independente da época do ano, é amenizado pela força do vento na ilha, ótima para a prática do windsurfing

Murilo Souza, Especial para O Estado de S. Paulo

12 Maio 2015 | 03h00

O vento é um morador ilustre de Bonaire. Você será recebido por ele logo que pisar na ilha. Em qualquer hora do dia ou da noite, não importa a época do ano, você sentirá sua presença. Membro da família dos alísios, controla a temperatura local, que dificilmente sai da casa dos 28 graus. O clima, sempre quente e seco na maioria dos meses, seria quase insuportável sem ele.

Entre janeiro e junho, o vento costuma estar mais vigoroso, soprando a uma velocidade média de 40 a 50km/h. Mas o auge da força vem nos dois meses seguintes, julho e agosto, quando as médias são ainda mais altas e a força das rajadas pode passar dos 80km/h.

LEIA MAIS: 7 dicas essenciais do que fazer em Bonaire

É exatamente dessa força e constância que nasce a paixão de windsurfistas de todo mundo por Bonaire. O nascedouro é um lugar chamado Lac (lago, em português), dentro do Parque Marinho de Bonaire, em Sorobon, na costa leste da ilha. Lá, protegidos do trânsito de embarcações, windsurfistas de todo o mundo encontram o espaço perfeito para curtir um velejo em grande estilo.

LEIA MAIS: Saiba onde mergulhar em Bonaire

O lago tem o tamanho aproximado de 900 gramados do Morumbi e fica cheio de uma água salgada azul-turquesa, que lembra a Turmalina Paraíba - pedra preciosa cujo néon é tão intenso que parece brilhar no escuro. Como a região toda é protegida por recifes de corais, em praticamente 90% do Lac a profundidade não vai muito além da cintura de um adulto.

Águas quentes, transparentes, calmas e pouco profundas, associadas ao vento forte e constante, fazem de Lac uma autoestrada para o desenvolvimento de talentos mundiais do chamado freestyle, que envolve manobras com a vela e saltos sensacionais, mesmo sem a presença de ondas.

Foi o que ocorreu com os irmãos Tonky Frans e Taty Frans e o primo Kiri Thode, que aparecem retratados no documentário Children of The Wind. O filme foi lançado em 2013 e premiado em diversos festivais de cinema. Ele conta a história das três crianças pobres de Bonaire que, com o incentivo de Elvis Martinus, visionário e idealizador do esporte na região, começaram a velejar antes dos 10 anos e se tornaram campeões.

LEIA MAIS: No Caribe, experimente os bons ares de Bonaire

Elvis é hoje dono de uma das duas únicas lojas de windsurfe que funcionam em Lac, o Windsurf Place (bonairewindsurfplace.com), ao lado de sua concorrente, a Jibe City (jibecity.com). Se você já veleja, em ambas é possível alugar o equipamento completo e aproveitar os últimos lançamentos das melhores marcas para arriscar manobras - ou apenas curtir a sensação de deslizar com a prancha no mar, enquanto ouve o barulho do vento e observa o brilho da água.

É possível também, ali mesmo, no meio dos “prós” de várias partes do mundo e diante de condições prefeitas, fazer o curso básico de windsurfe (a partir de US$ 50 em ambas as lojas) e sair velejando pela primeira vez. Aviso: vicia. 

Mais conteúdo sobre:
Bonaire windsurfe windsurfing Caribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.