Adalberto Roque/AFP
Adalberto Roque/AFP

Airbnb passa a oferecer estadia em Cuba

Meses após a retomada de relações entre EUA e Cuba, site de aluguel de casas pelo mundo cria serviço para norte-americanos 

O Estado de S. Paulo

03 Abril 2015 | 18h46

A abertura das relações entre Estados Unidos e Cuba tem sido vantajosa ao setor turístico. Na última quinta-feira, 2, a Airbnb, um dos maiores sites e apps de busca e aluguel de imóveis do mundo, anunciou a inclusão da ilha em seu banco de países - há opções nas cidades de Havana, Matanzas, Cienfuegos e Santa Clara. Por enquanto, o serviço está disponível apenas para norte-americanos, mas a ideia da empresa é torná-lo mais amplo o quanto antes.

"Nós acreditamos que Cuba poderia se transformar em um dos maiores mercados da América Latina", disse o diretor regional da Airbnb, Kay Kuehne. A confiança no potencial turístico da ilha, que há mais de 50 anos sofre com o embargo econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos, está sobretudo no aumento da procura dos norte-americanos pelo destino, facilitada após a retomada de relações entre os dois países no fim do ano passado.

Além disso, já há um campo aberto para a Airbnb explorar Havana, a capital, e outras regiões de Cuba. "Esse tipo de serviço de hospedagem, que nós começamos a reunir apenas em 2008, existe há décadas em Cuba", lembra Kuehne. De fato, Cuba tem de 6 a 8 mil imóveis privados, conhecidos como "casas particulares", prontos para serem alugados para temporadas. Os preços costumam variar entre US$ 27 (R$ 85) e US$ 52 (R$ 164) por noite - valores bem mais modestos se comparados aos dos hotéis.

As viagens para a ilha cresceram 20% nos últimos meses, e, segundo a Airbnb, a procura dos norte-americanos pelo destino aumentou 70%, ultrapassando Brasil e Argentina. Companhias aéreas que fazem o trajeto Estados Unidos-Cuba também apontam uma alavancada nos negócios. A expectativa de todas essas empresas é que as últimas barreiras ao turismo no país sejam derrubadas em breve. 

*Com Reuters e EFE.

Mais conteúdo sobre:
CubaEstados UnidosAirbnb

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.