Adriana Moreira/Estadão
Adriana Moreira/Estadão

Anguilla, uma ilha caribenha para se sentir como celebridade

Frequentada por Beyoncé e outros famosos, a ilha foi devastada pelo furacão Irma, no ano passado, mas se reergueu - e os turistas já começam a retornar para suas praias perfeitas

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2018 | 05h00

“Onde é que fica?” foi a frase que mais ouvi quando contei a familiares e amigos que embarcaria para Anguilla. Se você também está se perguntando o mesmo, explico que essa ilha caribenha é vizinha à dupla St. Martin/St. Maarten, mas muito mais exclusiva, frequentada por celebridades e políticos que buscam sossego e discrição. É claro que, em se tratando de Caribe, as praias espetaculares, com águas que oscilam entre tons de verde e azul são uma regra por ali. Caso de Shoal Bay East, que ano sim, outro também entra na lista de melhores praias do mundo em revistas especializadas.

Com um público que gosta de serviço impecável e refeições refinadas, não é de se estranhar que a maior parte das atrações desse território ultramarino britânico estejam abrigadas em hotéis e resorts de luxo. Não existe um centrinho turístico clássico, com lojas para comprinhas, um calçadão para caminhar, sorveterias. O centro de Anguilla (os locais pronunciam Angüilla) é bem genuíno, colorido, movimentado e com construções coloniais, mas frequentado basicamente por moradores – não há interesse para que os turistas parem por ali.

Quanto às lembrancinhas, as lojas dos hotéis (ou localizadas próximo a eles) têm as melhores opções – mas nada que se destaque. O mais interessante (e genuíno) que encontrei foram os licores de diversos sabores, que se parecem muito com os que compramos em viagens pelo interior de Minas Gerais. O de banana foi meu favorito – custa, em média, US$ 12.

As compras realmente não são o forte da ilha. Nem a badalação. O que fazer então? Abraçar a proposta de desacelerar, curtir o clima caribenho, a exclusividade e a tranquilidade de cada paisagem.

Depois do furacão Irma

Há pouco mais de um ano, contudo, essa tranquilidade foi quebrada pelo furacão Irma, que devastou 80% da ilha de 14 mil habitantes. “Não pude acreditar que era o mesmo lugar”, contou Ena Boasman-Hodge, concierge do hotel The Reef. Ela estava em Porto Rico durante a tempestade, mas suas filhas ficaram em Anguilla. Sem comunicação e com voos cancelados, ela viveu dias de agonia até conseguir voltar. “Não havia mais portas em casa, mas as meninas estavam bem”, conta, aliviada.

Em qualquer lugar que se vá em Anguilla, alguém terá uma história para contar sobre o furacão. Nem a principal atração local resistiu. Sandy Island, um pequeno banco de areia repleto de coqueiros, onde turistas passavam o dia se refestelando nas barracas de praia, perdeu a vegetação e as construções. Sobraram a areia clarinha e a água esverdeada, que convida a um mergulho. Mas não há tempo para se lamentar: coqueiros já foram plantados e a expectativa é que a ilha seja reaberta aos turistas já no próximo mês.

Hotéis, coqueiros, barracas de praia: o Irma varreu tudo com fúria, mas não levou a força de vontade dos moradores. O trabalho de recuperação começou logo depois que a tempestade se foi. Quando visitei a ilha, via-se obras e reformas por toda parte e os turistas começavam a retornar. Motivos não faltam.

ANTES DE IR

Aéreo: não há um aeroporto para grandes aeronaves em Anguilla; os principais  voos comerciais chegam no Aeroporto Princess Juliana, em St. Maarten. Para quem sai do Brasil, o melhor é ir via Panamá. Com a Copa, o voo ida e volta saindo de São Paulo custa a partir de R$ 4.767.

 

Ferry: de St. Maarten a Anguilla são 20 minutos de barco. O terminal é literalmente ao lado do aeroporto. Empresas como a Calypso fazem a travessia por US$ 60 por pessoa, ida e volta, com bebidas.

 

Aluguel de carro: como não há transporte público, vale a pena alugar carro. O próprio hotel providencia a locação, que fica em torno de US$ 40 por dia, e a licença para dirigir  (US$ 15 por um período de 72 horas e US$ 25 para até três meses). 

Taxa:  Na saída de Anguilla, é preciso pagar uma taxa de US$ 28, em dinheiro, no terminal de passageiros.

Melhor época: A temporada de furacões vai de junho a outubro

 

Site: ivisitanguilla.com.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.