Antes da saída, pausa para um cafezinho

Logo na primeira parada do tour organizado pelo Coffeebeans Route, nos deparamos com a extraordinária história do Escape Caffe. Muhammed Lameen Abdul-Malik, o proprietário, nasceu na Nigéria e abriu o café depois de ganhar o Prêmio Nobel da Paz em 2005 como integrante da Agência Internacional de Energia Atômica, na época em que Mohamed ElBaradei era o diretor-geral.

O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2012 | 02h06

O público, assim como os baristas, era formado por um mix de moradores e visitantes, clientes fiéis e estreantes, pessoas que, em qualquer lugar do mundo, sabem exatamente como querem seus piccolos e macchiatos, sentadas juntas em uma longa mesa comunal no centro do café. Apesar de a Cidade do Cabo já ter uma tradição de cafés robustos antes da chegada do Escape Caffe, poucos lugares serviam um café decente. Abdul-Malik tem se esforçado para corrigir isso. O café é ótimo, e ele consolidou uma rede de clientes dispostos a pagar preços consideravelmente mais altos que a média da cidade.

"Os grãos de café são da África", explicou o guia que acompanhava nosso grupo, Michael Letlala, enquanto tomávamos a bebida em copos claros. "De qualquer forma, o café limpa o paladar antes de começar a comer." E, de fato, era só o começo da maratona gastronômica. /T.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.