Aranhas e baleias em um mesmo lugar. São as linhas de Nazca

Origem dos desenhos misteriosos divide cientistas. A única certeza é que se trata de um espetáculo

NAZCA, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2010 | 01h57

Desenhos de imensas dimensões compõem um inquietante e ainda hoje misterioso mosaico no deserto. Conhecidas por Linhas de Nazca, figuras de triângulos, trapezoides e representações de animais de hábitats tão distintos como baleia, aranha e macaco enfileiram-se rabiscadas para sempre na areia ao sul da reserva natural de Paracas, a três horas e meia de carro.

Fixadas por meio de técnica indefinida, que levanta polêmica entre estudiosos, os traçados representariam o modo de vida ancestral na região, habitada originalmente pelo povo nazca, sustentam uns. Outros acreditam que seriam, isso sim, um elaborado calendário dedicado à agricultura, por meio do qual era possível conhecer o ciclo das chuvas e definir o que plantar.

Inspirados por uma das figuras do mosaico, para muitos a mais intrigante, há quem ainda ouse perguntar, em tom de escárnio: "Eram os deuses astronautas?", questiona a vendedora de uma lojinha do aeroclube, ao captar a conversa de dois turistas. Hipóteses. Muitas hipóteses.

Após uma breve apresentação das teorias mais difundidas acerca das linhas, a melhor maneira de conhecer a dimensão dos desenhos é embarcar num dos monomotores que sobrevoam a região. O voo custa US$ 60 por pessoa e dura cerca de meia hora.

Foi assim, aliás, que um piloto se deu conta de que aqueles traços contavam uma história. As figuras, é bom que se diga, enfileiram-se em zigue-zague, o que pode causar enjoo. Recomenda-se tomar um comprimido apropriado com pelo menos meia hora de antecedência. Guardar jejum de duas horas antes da decolagem ajuda. Toda medida preventiva é bem-vinda. Afinal, não dá para chegar até aqui e colocar em risco experiência tão inusitada.

A alternativa ao voo é apreciar as Linhas de Nazca de cima dos mirantes instalados perto da estrada que corta a região, cuja construção, por sinal, mutilou alguns desenhos e apagou outros.

Fique de olho. Recentemente, apenas sete dos mais de 40 monomotores que operam no Aeródromo María Reiche foram autorizados a realizar os voos panorâmicos. O governo peruano submeteu as 14 empresas cadastradas a um teste de segurança, depois do acidente, em fevereiro, que resultou na morte de sete pessoas. Apenas quatro foram aprovadas: Aero Diana, Aero Paracas, Alas Peruanas e Travel Air.

"Ficou evidente que é preciso melhorar as operações no aeródromo de Nazca", declarou, à época, o presidente da Associação de Transporte Turístico de Naza, Efraín Alegría Huamaní. Melhor ficar atento.

 

 

Fotos. Imagens das Linhas de Nazca no blog do Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.