Ares de nostalgia nas cercanias de Paris

As fotografias em preto e branco trazem uma inevitável nostalgia. No início do século 20, o zepelim voava sob olhares repletos de admiração pelos céus europeus. Desde o dia 3, contudo, a imagem deixou de ser algo do passado: a Airship Paris (airship-paris.fr) passou a realizar voos curtos, de até 1h30, na região de Val D'Oise, nas cercanias de Paris.

/ FELIPE MORTARA, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2013 | 02h16

São quatro trajetos disponíveis, a partir do Aeroporto de Pontoise, a 35 quilômetros da capital francesa. O mais curto, de 30 minutos, custa 250 - é mais um voo de contemplação sobre a região de Vexin. Uma outra opção é observar, do alto, o Castelo de Chantilly, que ficou famoso por aqui graças ao casamento-relâmpago do ex-jogador Ronaldo com Daniella Cicarelli - custa 450 e dura 1 hora - pelos mesmos preço e duração, vê-se o Castelo La Roche do alto. E a mais cara, de 650, dura 1h30 e sobrevoa os belos jardins do Castelo de Versailles.

Os cliques estão garantidos. O dirigível, de 75 metros de comprimento (maior que um Airbus 380), tem enormes janelas. Além disso, são apenas 12 passageiros por voo - caminhar pela aeronave está liberado. A temporada de 2014 está confirmada, com voos de abril a outubro.

A preocupação com segurança é uma constante quando se trata de zepelins - o incêndio do Hindenburg, em 1937, ficou marcado na história. A Airship Paris se apressa em informar que os dirigíveis de hoje usam gás hélio, e não o altamente inflamável hidrogênio, como no começo do século 20.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.