Teresa Ribeiro/AE
Teresa Ribeiro/AE

Arquitetura em nome do sagrado

Três templos em homenagem a Buda estão entre os mais visitados da autêntica Chiang Mai

Teresa Ribeiro, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2009 | 02h35

O mausoléu gigantesco do Wat Chedi Luang - com mais de 80 metros de altura e 50 de largura - teve a honra de abrigar por quase um século, entre 1468 e 1554, o Buda Esmeralda, a imagem da divindade mais venerada da Tailândia. A escultura só foi retirada do templo após um forte terremoto, cujos danos são visíveis ainda hoje.

Uma ausência relevante, certamente, mas não o suficiente para tirar a graça do monumento, cuja história está ligada à vontade de um rei, Saen Muang Ma, de preservar as relíquias de seu pai.

A arquitetura de influência birmanesa do período Lanna é marcada por bases exageradas e muitos degraus. Sua parte mais alta, chamada de pagode ou abóbada, é uma representação arquitetônica do cosmo cuja função é receber uma imagem de Buda.

Saen Muang Ma não pôde ver a conclusão de sua obra, iniciada em 1441. A construção do templo terminou dez anos após sua morte, já sob o reinado de Tilokaraj.

 

Veja também:

linkUm roteiro para ir além do óbvio

linkProve já

linkMuito de oriente. Algo de São Paulo

linkSeda, pedras preciosas e grifes internacionais

linkBalneário chique bem longe de Phuket

linkNo território dos elefantes

video Vídeo com imagens feitas durante a viagem à Tailândia

mais imagens Galeria de fotos da Tailândia

ARTE LANNA

O templo Wat Phra Singh, um dos mais visitados de Chiang Mai, é considerado exemplo de arte do período Lanna. É mais antigo que o Wat Chedi Luang - foi erguido em 1345 - e recebeu esse nome por ter sido o primeiro a abrigar a imagem do Buda Phra Singh.

Os murais do templo são ornados com desenhos de fábulas e cenas da antiga corte birmanesa (hoje Mianmar), que dominou a região durante o século 19. Registram o trabalho de artistas de várias etnias, especialmente os chineses com sua forma de entalhar a madeira.

Outro templo de Chiang Mai, Wat Phra That Doi Suthep, é um dos espaços mais sagrados do norte da Tailândia. Não à toa, atrai multidões de peregrinos. Conta-se que um elefante branco, animal muito raro, hoje símbolo do país, subiu até o alto da montanha Doi Suthep, deu três voltas ao redor de um determinado ponto e, em seguida, ajoelhou-se e morreu. O fato foi interpretado como a indicação da área onde deveria ser construído um pagode. A obra começou em 1383.

Para chegar, há uma escada de 306 degraus e um funicular. O lugar guarda símbolos do período Lanna, como murais com cenas da vida de Buda.

Wat Phra That Doi Suthep: tíquete do funicular a 30 bahts (R$ 1,70)

Mais conteúdo sobre:
Viagem Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.