Arte colorida e cheia de humor

Antes de voltar para casa, confira obras de Agadman e Sávio Renan

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2009 | 01h52

Dois artistas de estilos opostos esbanjam talento em Prado. Agadman (ele só usa o primeiro nome) cria quadros com personalidade e algumas esculturas. Já Sávio Renan utiliza o coco seco como matéria-prima para fazer imagens de personalidades da política e da música.

 

À primeira vista, a casa de Agadman, na frente da praia do centro, parece um tanto comum. Mas não é. Projetada pelo artista plástico, o ateliê tem ângulos que propiciam uma incrível harmonia com o espaço exterior.

 

Veja também:

linkCoqueiros, falésias e boa comida

linkEspetáculo das gigantes em alto-mar

"Eu zerei a matéria", explica, enquanto rabisca em um papel a fórmula que usa em seus quadros e também na construção da casa, toda envidraçada. As janelas foram colocadas em ângulos específicos, de maneira que as imagens parecem se sobrepor ao olhar do espectador.

Parece difícil de imaginar. Mas se trata de um exercício fotográfico. Basta focar em uma ou outra área do vidro para observar o muro cinza da casa vizinha ser invadido pelo mar. Ou, em outra parte, ver um grupo de jovens caminhar sobre as águas, no que ele chama de "cinema ao vivo".

Realmente, às vezes, a impressão que se tem é que nem a boca nem a mão que rabisca o papel conseguem acompanhar a velocidade das ideias de Agadman. Seguir o raciocínio rápido desse piauiense que cresceu em Brasília é desafiador. Seus quadros são feitos para quem quer descobrir detalhes, criar a própria versão da pintura. Utilizam a mesma fórmula artística da casa, uma espécie de boneco-palito estilizado. "Posso usar (a fórmula) até para movimentos de dança."

Na casa de Sávio Renan, no entanto, basta bater o olho nos personagens agrupados para identificar as caricaturas de Lula, Antônio Carlos Magalhães, Gilberto Gil... Todos criados a partir de coco seco. Dentista durante o dia, Sávio conta que sempre gostou de criar. "Sou um autodidata", explica.

A tinta acrílica disfarça as imperfeições e o pó de serra é usado como cola. Sávio acaba de criar sua primeira peça em tamanho natural, uma versão de O Pensador, de Rodin. Todo feito de coco.

Mais conteúdo sobre:
Viagem & Aventura Bahia Prado

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.