Cristiano Dias/AE
Cristiano Dias/AE

As areias perfeitas das praias e as mordomias dos spas da Tunísia

Em busca de um refresco, comece em Hammamet a explorar as opções à beira-mar. Ou alivie o estresse em massagens e terapias

Cristiano Dias, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2012 | 21h30

De todas as cores da Tunísia, a mais marcante é o azul-turquesa do Mediterrâneo. Hammamet é o que há de mais parecido com a Riviera Francesa no norte da África. Turistas europeus se misturam com os ricos da capital, flanando na marina, na orla e pelas ruas estreitas da medina - exceto nos cassinos, onde é proibida a entrada de tunisianos. A cidade é a porta de entrada para as praias da península de Cap Bon, especialmente as joias de Ouled Kassab e El- Mansourah.

Ao norte de Túnis, Bizerte esbanja o charme de um porto abarrotado de barcos multicoloridos e cafés na orla marinha. Um pouco mais adiante, bem perto da fronteira argelina, chega-se a Tabarka, parada obrigatória para mergulhadores que não se contentam com menos de 20 metros de visibilidade.

Apesar de a Tunísia ter um sistema de transporte público aceitável, a melhor e mais rápida maneira de cumprir um bom roteiro é de carro. A opção pelo aluguel dá autonomia para quem gosta de caçar praias escondidas, descobrir novos lugares ou almoçar em um vilarejo que não está no mapa.

No entanto, há alguns inconvenientes. O principal é a ausência de um sistema de GPS no país. Muitas vezes, os caminhos são labirínticos e a ligação mais simples entre dois pontos não parece ser uma reta.

Além disso, na alta temporada, o verão europeu, estacionar em certos pontos turísticos pode ser uma via crúcis. Quem optar pela independência, portanto, precisa ter paciência. Uma opção mais simples é resolver a parte terrestre com uma operadora no Brasil ou na Tunísia. Muitos hotéis também organizam passeios e podem facilitar o deslocamento.

Exclusividade e mordomias a preços convidativos

Um ótimo custo benefício para quem vai à Tunísia é combinar o destino exótico com um spa. A tradição local do hammam, o banho público, é antiga. Dizem que quanto mais velhas as casas de banho, melhores elas são. No entanto, um spa novinho em folha também não faz mal a ninguém.

Eles são comuns nas grandes redes de hotéis. Em uma praia ao norte de Túnis, o Hotel Gammarth, da cadeia suíça Mövenpick (moevenpick-hotels.com), tem um dos melhores spas da Tunísia, com uma moderníssima academia de ginástica, piscina coberta, salas de massagem, jacuzzi e sauna. O Mövenpick da cidade de Sousse, além dos mesmos agrados, também conta com uma área de diversão para crianças, extensa faixa de areia na praia e três piscinas, sendo uma de água do mar.

Outra boa escolha é o Radisson Blu da Ilha de Djerba (radissonblu.com/resort-djerba). O resort tem salas de talassoterapia (tratamento com água do mar), algoterapia e crioterapia (aplicação de temperaturas baixas).

Em Cartago, o mobiliário do hotel Villa Didon (villadidoncarthage.com) é assinado pelo designer francês Philippe Starck. São apenas dez quartos e um spa tão exclusivo quanto o hotel. Os preços mais baixos da diária nesses gigantes de luxo ficam entre R$ 390 e R$ 450. 

Mais conteúdo sobre:
Viagem Tunísia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.