Agência Córdoba/Divulgação
Agência Córdoba/Divulgação

As duas facetas de Córdoba

Com feição colonial e boas baladas, cidade é alternativa a Buenos Aires

Alline Dauroiz,, O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2009 | 03h15

Cabelinhos repicados à moda argentina, violão, pilhas de livros e a térmica de chimarrão ao lado. Fotografia recorrente nos fins de tarde de Córdoba. Essa cidade na região central do país, repleta de construções coloniais, reúne nada menos que 150 mil estudantes (12% de sua população), distribuídos em sete universidades.

Alguns são estrangeiros querendo aprender espanhol. Outros, argentinos atraídos por faculdades que cobram valores mais enxutos que as de Buenos Aires. O certo é que animação não falta, seja logo pela manhã ou noite avançada.

Mais compacta que a capital, Córdoba tem personalidade própria - e serve de alternativa para quem já conhece cada tijolo da Casa Rosada. Chegar lá é fácil, graças ao aeroporto internacional, e há até voos diretos do Brasil, partindo de Porto Alegre (leia mais abaixo).

 

Veja também:

linkEm Alta Gracia, o legado de seu morador mais ilustre: Che Guevara

linkAventura cheia de cores pelos arredores

Fundada em 1573, Córdoba exibe atualmente prédios modernos, cafés e boas livrarias. Mas se destaca mesmo por joias como a Manzana Jesuítica, conjunto de quatro ruas com construções do século 17, feitas por índios sob o comando dos jesuítas. Tudo Patrimônio da Humanidade. Nesse quarteirão ficam, ainda, a Igreja da Companhia de Jesus, em forma de crucifixo, e a Universidade de Córdoba, de 1613 - primeira do país e uma das mais antigas da América Latina.

Fora desse eixo, merecem visita a Catedral e o Cabildo, antiga prefeitura que abriga shows e museu.

Um cenário bem diferente desponta no bairro Nueva Córdoba. Inaugurado há dois anos, o Paseo Buen Pastor compõe uma das visões mais bonitas da cidade. O prédio da antiga cadeia feminina, onde antes ficavam as consideradas inimigas da ditadura, foi totalmente restaurado e mudou de função. Agora, integra um complexo de lojas, restaurantes e espaços para exposições.

É para Nueva Córdoba que os estudantes de cabelos repicados seguem para curtir os bares e pubs, espalhados pelas Rondeau e Larrañaga. As baladas - ou boliches - se concentram em Alta Córdoba, Chateau Carreras e Abasto. Como o jantar sai lá pelas 22 horas, as danceterias só lotam depois da 1h30. Haja pique.

 

 

SAIBA MAIS

linkComo chegar: o trecho São Paulo-Córdoba-São Paulo custa desde R$ 557,54 na Gol (0300-115-2121), com escala em Porto Alegre. A Aerolíneas (0800-707-3313) cobra R$ 648,25 e a LAN (0800-761- 0056), R$ 640,26. Ambas com conexão em Buenos Aires

 

linkCompras: o equivalente da portenha Calle Florida é o Paseo de las Flores (foto). As flores que dão nome à alameda enfeitam a via cheia de butiques e galerias. O calçadão 25 de Mayo e o Paseo de Santo Domingo são ótimos para ver lojinhas e caminhar. Artigos em couro são mais baratos em Córdoba que em Buenos Aires

 

linkComida: na hora da fome, não faltarão lugares para pedir parrilla, o tradicional churrasco argentino. Mas se quiser variar um pouco, vá de cozinha criolla: ensopados de carne de boi ou porco com legumes e assados de cabritos, leitões e ovelhas. Um tanto semelhantes com nosso bem-casado, os alfajores cordoveses são apreciados em todo o país e custam a metade do preço dos famosos Havanna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.