Aspen/Snowmass

Entra ano, sai ano, e o complexo Aspen/Snowmass não sai de moda. As lojas de grife no centrinho charmoso, os famosos que circulam por ali depois de passar o dia nas pistas e os excelentes restaurantes continuam atraindo um público fiel - e o Brasil segue firme e forte entre os três maiores emissores de turistas estrangeiros ao resort.

O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2014 | 02h06

Ao longo dos últimos seis anos, a empresa que administra as quatro montanhas do complexo (Aspen Mountain, Aspen Highlands, Buttermilk e Snowmass) investiu US$ 66,5 milhões na região. Nesta temporada, a área esquiável aumentou em Aspen Highlands (uma das mais procuradas pelos experts), com duas novas pistas de esqui, e em Snowmass, que acoplou a montanha Burnt e, assim, ganhou 230 acres extras para esquiadores e snowboarders deslizarem.

Quem se deu bem também foram as crianças, com dois espaços novinhos dedicadas a elas. Em Buttermilk - a montanha favorita dos iniciantes - The Hideout é um refúgio de brincadeiras de onde se pode sair esquiando. E, em Snowmass, o Tubbing Hill (espécie de tobogã) terá quatro pistas para a diversão da garotada.

Para quem quiser dar um tempo das pistas, o prédio do recém-inaugurado Museu de Arte de Aspen (AAM), projetado pelo arquiteto japonês Shigeru Ban, é uma atração por si só. Ao todo, são seis galerias, dedicadas principalmente à arte contemporânea internacional.

A temporada começa em datas diferentes em cada montanha, de 27 de novembro a 19 de abril. Altitude máxima: 3.813 metros (Snowmass). O passe de cinco dias, válido para todo o complexo, custa US$ 495. Site: aspensnowmass.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.