Até o meio de transporte pode fazer a diferença

Pouca gente se dá conta, mas até o meio de transporte que escolhemos para viajar pode ser mais ou menos favorável ao meio ambiente. Desde o início das discussões sobre aquecimento global, o avião (sim, ele, inevitável para alguns trechos) ficou na berlinda. Afinal, está entre os que mais jogam gás carbônico na atmosfera.

O Estado de S.Paulo

01 Junho 2010 | 01h50

As companhias aéreas não tardaram a buscar alternativas para melhorar a eficiência dos aviões e também para permitir que o passageiro interessado possa compensar esse dano. A Air France, por exemplo, mantém em seu site (www.airfrance.com.br) uma calculadora para você saber quanto sua viagem vai emitir de CO2 - numa ida e volta entre São Paulo e Paris, por exemplo, um cliente da classe econômica fica responsável por 1.741 quilos do gás a mais na atmosfera. A partir desse dado, o passageiro pode fazer a compensação ambiental com o auxílio de um parceiro da companhia.

A Lufthansa conta com uma ferramenta semelhante para o cálculo (lufthansa.myclimate.org). Uma pessoa na classe econômica, nos trechos SP-Berlim-SP, teria de compensar 2.085 quilos de CO2 a mais na atmosfera. E pode fazer isso auxiliando programas ambientais na Índia: o custo seria 42,00, calculados pelo próprio site.

A mordomia é necessária?

Passageiros instalados na executiva e na primeira classe - com número reduzido de cadeiras - acabam proporcionalmente responsáveis por mais gás carbônico. Quer fazer as contas? Quem voa de primeira classe entre SP e Berlim teria de gastar 100 para compensar 5 mil quilos do gás carbônico. Uma dica de especialistas: prefira voos sem escala, que emitem duas vezes menos da substância por milha voada.

Vou de trem

Para alguns percursos dentro da Europa, o trem é imbatível na praticidade. E também no quesito preservar o ambiente. O meio de transporte é considerado mais ecologicamente correto. Usar o trem, no entanto, exige planejamento. Os tíquetes de última hora costumam ser bem mais caros que seguir num avião.

Pedalando

As cidades mundo afora estão cada vez mais preparadas para os ciclistas. Além de dizer não ao sedentarismo, optar por fazer percursos de bike (em vez de alugar um carro ou seguir de táxi) vai fazer de você um amigo da natureza. Na Europa, Paris, Amsterdã, Copenhague e, mais recentemente, Londres estão entre as cidades que investem nas bicicletas. Nos EUA, destacam-se Chicago, Portland e São Francisco.

No mar

Nos cruzeiros, prefira navios menores. Estudos mostram que os que levam até cem passageiros são menos poluentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.