Chris Helgren/Reuters - 22/3/2001
Chris Helgren/Reuters - 22/3/2001

Atrações 'antigas' e novíssimas

Nada é muito velho em Dubai, que fique logo claro. Acredite ou não, um prédio pode ser considerado antiguidade por lá se tiver mais de 30 anos. Para acentuar a sensação de tudo novo, a cidade não para de crescer. O ritmo das obras é tão acelerado que atrações e hotéis são logo superados, de alguma forma, por outros maiores, mais luxuosos, mais iluminados. Confira, nesta página e na 12, a nova e a muito nova Dubai.

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2009 | 02h24

BURJ AL ARAB

Tradicional. Empreendimentos luxuosos não faltam em Dubai. Mas desde que abriu as portas, em 1999, o Burj Al Arab virou uma espécie de "Torre Eiffel" da cidade. Construído numa ilha artificial, ele se autointitula o único sete-estrelas do mundo, apesar de a classificação oficial ser de cinco-estrelas. Hospedar-se no Burj Al Arab é para quem quer se sentir como um rei, nem que seja por uma noite. Ali, tudo o que reluz é realmente ouro. Foram usados 1.590 metros quadrados de folhas do valioso metal para revestir áreas como as colunas do lobby. Cada andar tem um concierge particular e os quartos contam com uma incrível vista do Golfo Árabe. A tarifa básica custa US$ 2.450 (quase R$ 5 mil).  

 

Veja também:

linkReconstruindo a mutante Dubai

linkDez coisas que você precisa saber

ATLANTIS

Na onda. Primeiro resort da ilha artificial Palm Jumeirah, em forma de palmeira, o Atlantis foi inaugurado em novembro, numa festa repleta de celebridades. O hotel fica bem no topo da "árvore", com uma vista fabulosa de todo o complexo. Para chegar até lá, você vai atravessar todo o tronco e passar por um túnel. As diárias começam em US$ 454, mas podem atingir os US$ 28 mil na Bridge Suite, que tem a panorâmica mais espetacular da ilha. Outros dois apartamentos contam com exclusiva vista do aquário do Atlantis (são mais de 40 mil peixes). Não à toa, o complexo conquistou lugar na lista dos melhores hotéis do ano, feita pela Travel + Leisure.

RIO CREEK

Barquinho. Foi às margens do Creek - um braço de mar, e não um riacho, como a tradução indica - que a história de Dubai começou. Hoje em dia, parte da diversão nesse trecho é fazer um passeio nas abras, os táxis aquáticos. Como a travessia é barata, esse é um dos poucos lugares em que moradores e turistas se misturam.

MARINA

Lanchas. Há cinco anos, Dubai Marina nem existia. Mas, agora, a região está coalhada de praças, cafés e restaurantes. O metro quadrado do bairro já é o mais caro da cidade (o aluguel de um apartamento de dois quartos custa, por ano, R$ 100 mil. O projeto, inspirado na marina de Vancouver, Canadá, prevê mais de 200 arranha-céus. Quando estiver concluída, a Dubai Marina será a maior do mundo totalmente construída pelo homem.

SOUK DO OURO

Barganha. Esse é, certamente, um dos passatempos preferidos de quem vai a Dubai. É nos souks dos bairros Bur Dubai e Deira, nas imediações do Creek, que se concentram os mercados de rua. Para as quinquilharias, fique com o souk de tecidos. Há tapetes, lenços e mimos como uma réplica iluminada do Burj Al Arab. Não esqueça de barganhar. Mas se você quiser gastar mesmo, siga para o souk do ouro, com preços bem convidativos.

DUBAI MALL

Só grifes. Mais de 1.200 lojas compõem o Dubai Mall, um dos maiores do mundo. Uma vez lá, não é difícil acreditar que a informação seja verdadeira. Corredores infinitos levam a lojas como Ralph Lauren, Chanel, Hermès e Dior, além de uma filial das Galerias Lafayette. E ainda há muito mais por vir até 2010, quando será aberta, entre outras lojas, a Bloomingdale?s. Para competir com os mercados de rua, há até um souk do ouro. O shopping ganhou um aquário gigantesco - tem até tubarão.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Dubai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.