Reuters
Reuters

Austrália e Nova Zelândia em 15 dias

Mande sua pergunta para viagem.estado@estadao.com

Ricardo Freire, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2016 | 00h02

Queremos viajar por 15 dias entre Austrália e Nova Zelândia na virada do ano, passando o réveillon em Sydney. Somos apaixonados por gastronomia e natureza. Ajude a fazer um roteiro? (Kathia, São Paulo)

Duas semanas seria o tempo mínimo necessário para cobrir o essencial da Austrália ou então cruzar a Nova Zelândia de norte a sul. Dividindo essas duas semanas entre os dois países, muitas atrações vão ficar de fora. Para reduzir as inevitáveis “escolhas de Sofia” e evitar uma correria desabalada, proponho uma simplificação radical: escolher um ‘assunto’ em que cada país seja claramente superior, e montar um roteiro em que os dois destinos se apresentem como complementares.

A Austrália está pré-resolvida: Sydney, a escolha para o réveillon, não tem concorrente na Nova Zelândia no quesito cidade grande. Fiquem cinco ou seis dias em Sydney: esbaldem-se na sua civilizadíssima urbanidade, explorem a cena gastronômica, peguem praia, embarquem num wine tour ao Hunter Valley. 

Já adaptados ao fuso horário, voem a Christchurch, na Ilha Sul da Nova Zelândia, para 10 dias de natureza e rotas panorâmicas. A vantagem de concentrar o quesito natureza na Ilha Sul neo-zelandesa é justamente esta: a concentração. Explorar as belezas australianas requer longas viagens, muitas delas de avião. Na Ilha Sul as atrações são muito próximas umas das outras. Cada deslocamento funciona como um passeio: 100% de aproveitamento do seu tempo de viagem.

Vou colar aqui um roteiro sugerido pelo excelente site do turismo da Nova Zelândia, inteiramente traduzido para o português: uma volta completa à Ilha Sul em 10 dias, com início e final em Christchurch. Vocês começam cruzando a ilha pelo trem Tranzalpine de Christchurch até Greymouth. Em carro alugado, seguem para a geleira Fox, o vilarejo beira-lago de Wanaka, as vinícolas de Gibbston, a ‘alpina’ Queenstown, os fiordes de Milford Sound, o Monte Cook e o Lago Tekapo. Os percursos são relativamente curtos – não mais que 250 ou 300 km por dia, sem necessidade de madrugar. Férias!

Outro site excelente para planejar viagens pela Nova Zelândia é o Viajoteca.com. O blogueiro Oscar Risch morou três anos na Nova Zelândia e destrincha tudo o que um brasileiro precisa saber sobre viagens pelo país. Caso queiram dedicar mais tempo à Austrália, o site oficial Australia.com também é inteiramente vertido para o português. (Lembrem-se, porém, que o verão não é uma boa época para ir à Grande Barreira de Corais.)

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Freire

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.