Flickr/Avianca
Flickr/Avianca

Avianca começa a cobrar pela bagagem

Cobrança será de R$ 60 por mala despachada para quem comprar o bilhete mais barato. Empresa anunciou também rota direta São Paulo-Nova York

Gustavo Zucchi - ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S. Paulo

20 Setembro 2017 | 20h24

A Avianca anunciou nesta quarta-feira, 20, sua nova política tarifária, que inclui a cobrança pela bagagem despachada. Para bilhetes vendidos a partir da próxima segunda-feira (25), passam a valer três classes de tarifas na econômica. A mais barata, chamada de Promo, não dá direito a despachar bagagem - caso decida despachar mala depois da compra da passagem aérea, o passageiro terá de desembolsar de R$ 30 (se a aquisição da peça adicional ocorrer com até seis horas de antecedência ao voo ) a R$ 60. A tarifa Promo só dá direito a levar uma mala de até 10 kg como bagagem de mão.

Ainda na econômica, a empresa terá mais duas classes de tarifas, com direito a despachar uma mala de até 23 kg (Economy) ou duas, com o mesmo peso (Flex).

"Será um serviço muito bom a um cliente que não podemos desperdiçar de forma alguma, aqueles que necessitam viajar por um preço mais barato e sem a bagagem", disse o presidente da Avianca, Frederico Pedreira. "Esperamos com essa nova classe trazer ainda mais passageiros".

Nova York direto. A companhia também anunciou seu primeiro voo direto entre São Paulo e Nova York, que começa a operar em 15 de dezembro. Os bilhetes já estão à venda e custam a partir de US$ 1399. Atualmente, a Avianca voa para Nova com conexão em Bogotá, na Colômbia.  

O projeto faz parte dos planos de expansão internacional da companhia, que conta com voos diretos da capital paulista para Miami e Santiago, no Chile.

“Nova York é um mercado importante em relação a São Paulo, tanto para lazer quanto para negócios”, disse Frederico Pedreira. A expectativa, segundo Pedreira, é ter mais de 70% de ocupação nos primeiros meses, seguindo o exemplo dos voos para Miami e Santiago, que chegaram a 80%.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.