Josh Huskin/The New York Times
Josh Huskin/The New York Times

Do cinema ao balcão: bares inspirados em filmes se espalham pelos EUA

Que tal bebericar em cenários de sucessos como ‘O Iluminado’. ‘O Grande Lebowski’ e ‘Os Fantasmas se Divertem’?

Robert Simonson, The New York Times

06 Dezembro 2016 | 04h40

O Overlook Lodge, um bar no bairro de Pleasant Ridge, em Cincinnati, parece bastante aconchegante à primeira vista, com vigas de madeira aparentes e uma lareira grande o suficiente para se entrar dentro dela. Mas, depois de uns minutos, alguns detalhes incômodos saltam aos olhos. A iluminação do balcão tem um brilho estranho. Por que todos esses machados na parede? Sem falar na placa luminosa na área externa, que repete o mantra: “Trabalho sem diversão faz de Jack um bobão”.

Sim, o estilo do Overlook Lodge  se baseia em O Iluminado, o filme lançado em 1980 por Stanley Kubrick, com base no clássico de Stephen King. Os coquetéis têm nomes como Writer’s Block (área dos escritores) e Elevator (elevador), e a lista curiosa de submarinos de cerveja e outros drinques recebe o nome de Twin Shots, em referência às assustadoras irmãs fantasmas.

Ao longo dos anos, filmes fizeram de bares seus personagens: lembra de Nick e Nora Charles mexendo seus martinis no clássico A Ceia dos Acusados, ou os coquetéis de champanhe que tilintavam no Rick’s Café Américain, de Casablanca? Agora, os bares estão retribuindo o favor. Em outubro, Jacob Trevino, proprietário do Overlook Lodge, abriu um bar com tema dos filmes de Quentin Tarantino em Cincinnati, chamado Video Archive (965 E McMillan). 

Em San Antonio, o Ringer Pub  é uma homenagem a O Grande Lebowski, com decoração de boliche e drinques White Russians sendo servidos a todo o momento, por US$ 4. Em Dallas, o Eastbound and Down Icehouse (3.826 Ross Ave), inaugurado em maio, se baseia no clássico dos anos 70 Agarre-me se Puderes.

Beetlejuice. Nova York conta com o Stay Classy New York, onde fãs das comédias de Will Ferrell podem curtir seu ídolo, e com a Beetle House, onde um homem vestido com o paletó listrado de Beetlejuice, de Os Fantasmas se Divertem, recebe os clientes na porta.

Embora o conceito comercial possa parecer um pouco exagerado, a motivação por trás de muitos desses bares é bastante sincera. “O pai do meu melhor amigo morreu e ele ficou muito mal”, conta Zach Neil, um dos donos do Stay Classy, inaugurado ano passado no bairro de Lower East Side. “Ele herdou algum dinheiro e nós queríamos fazer alguma coisa bem-humorada e divertida em sua homenagem. Ele adorava os filmes do Will Ferrell.”

Os amigos abriram o bar, cujo nome foi tirado de uma frase de efeito de Ron Burgundy, personagem de O Âncora, enfeitando as paredes com quadros originais baseados nos filmes de Ferrell – que passam o tempo todo nas TVs espalhadas pelo bar.

O exercício terapêutico dos amigos se revelou um sucesso inesperado, com filas se formando na frente do bar durante os primeiros meses. O negócio deu tão certo que, em abril, os sócios abriram um segundo bar, o Beetle House, que vive igualmente cheio.

“Sempre gostei de cinema. Quis combinar essa paixão com coquetéis”, diz Trevino. Quando trabalhava como bartender para uma das maiores mixologistas de Cincinnati, Molly Wellmann, ele realizou uma série de eventos chamados Gorilla Cinema, durante os quais a apresentação de filmes (Pulp Fiction, Footloose) era acompanhada pela produção de drinques especiais. Quando Trevino resolveu abrir um bar, decidiu usar esse conceito de forma permanente.

Autumn Heisler e o noivo conheciam Trevino de outros bares onde ele trabalhou. Agora, frequentam o Overlook Lodge, mas com diferentes níveis de entusiasmo pelo tema. “Meu noivo adora filmes de terror. Eu não. Só venho por causa do Jacob e dos coquetéis”, diz Autumn, diretora criativa de uma agência de mídia social. Neil conta que a mesma dinâmica se aplica ao Stay Classy. “No começo, todos os cliente eram fãs de Ferrell”, conta. “Agora, eu diria que 50% das pessoas simplesmente entram no bar e perguntam porque tem coisas de O Âncora por toda parte.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.