Bariloche volta com tudo

Após prejuízos de 2011, por causa das cinzas do Vulcão Puyehue, região argentina se renova

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2012 | 03h11

Bariloche continua sendo a queridinha nacional quando o assunto é neve. Após o prejuízo de 2011 com as cinzas do chileno Vulcão Puyehue fechando a região por quase toda a temporada - com perdas estimadas em US$ 400 milhões e menos de 5 mil brasileiros -, autoridades e comerciantes locais investiram cerca de US$ 55 milhões em melhorias de infraestrutura, como limpeza, qualidade do acesso e aeroporto renovado. Bariloche e seu entorno, como Piedras Brancas e Villa la Angostura, serão beneficiados.

O aeroporto recebeu investimentos de cerca de US$ 20 milhões em máquinas e espera receber 18 mil brasileiros em junho e julho. A Aerolineas Argentinas terá quatro voos diretos por semana de São Paulo a Bariloche em julho e agosto.

Cercado por lagos, vales e montanhas nevadas do Parque Nacional Nahuel Huapi, Cerro Catedral é o maior e mais desenvolvido centro de esqui do Hemisfério Sul. Capaz de transportar 35 mil pessoas por hora com seus meios de elevação, tem mais de 120 quilômetros de pistas de todos os níveis.

Para a temporada 2012, há novas máquinas e ferramentas de sinalização e mais meios de elevação, com investimentos em segurança: a neve vai durar mais tempo nas pistas - e em melhores condições. / MARI CAMPOS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.