Bate-volta: Cenote de Ik Kil

Depois de visitar o sítio arqueológico de Chichén Itzá, siga para o cenote de Ik Kil, a três quilômetros de distância, no parque ecoarqueológico de mesmo nome. Cenote é um termo usado no México e vem da palavra maia dzonot, que significa caverna com água. Por causa do tipo de solo, na Península de Yucatán há milhares de cenotes.

12 Junho 2012 | 14h24

 

O cenote de Ik-Kil se abre no meio de um jardim tropical com cascatas e cipós. Tem aproximadamente 60 metros de diâmetro e de 40 a 50 metros de profundidade.

 

A paisagem é de tirar o fôlego, embora um pouco do encantamento fique na descida íngreme e úmida de cerca de 25 metros, feita em escadas de pedras, para se chegar à água límpida e azul esverdeada do poço. Pessoas com problema de mobilidade podem ter muita dificuldade. É recomendado descer com um chinelo de borracha.

 

Centenas de turistas visitam Ik Kil diariamente e um simples mergulho pode exigir paciência nos dias mais agitados. Há duas escadas de madeira que dão acesso à água, além de uma escada de pedra que leva a uma plataforma de salto. Não se arrisque se você não tiver muito fôlego: a água é pesada e nadar ou se manter flutuando requer uma grande dose de energia. A temperatura da água é agradável e você terá a companhia de inúmeros peixes.

 

Não se acanhe se preferir usar um colete salva-vidas – o aluguel custa US$ 2. A entrada no parque custa US$ 7 e dá direito a usar os vestiários. Terminar o dia, que começou em Chichén Itzá, com um mergulho no cenote de Ik Kil é certamente uma forma mundana de se sentir sagrado. / S.R.C

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.