Berlim 'acontece' em três bairros descolados. Damos as dicas

Capital alemã mostra sua versão moderna em Prenzlauer Berg, Kreuzberg e Mitte, na antiga porção oriental

Ana Carolina Sacoman, de O Estado de S.Paulo,

01 de abril de 2008 | 04h01

Ela tem 771 anos, mas um ''corpinho'' de 19. Moderna, linda e descolada, chega a ser exibicionista. Adora brechós, bistrôs charmosos e música eletrônica. Poderia se chamar Londres, Paris ou Madri, mas foi batizada de Berlim, e arrebata seus pretendentes, que nem suspeitam do poder de atração dessa ''garota''. Como deve ser acordado entre amantes recentes, releve seu passado - pouco interessa. O que vale nessa excitante descoberta é o que ela tem a oferecer de agora em diante. E é muito, muito mais do que você pode imaginar.   Veja também: Um mix colorido que dá vida a Kreuzberg O maravilhoso mundo das compras Duas ruas e várias vitrines: as ótimas surpresas de Mitte Como toda jovenzinha, talvez lhe pareça um pouco confusa e ainda inconsciente de seu poder de atração. Seus segredos mais íntimos - e, por isso mesmo, mais interessantes - ainda pertencem a poucos, talvez só a quem tem o direito de desfrutar de sua companhia diária. Vale perguntar, ninguém vai negar-lhe tão importante informação. E esqueça tudo o que já ouviu falar dela: são fofocas sem fundamento. Ela não é sisuda, muito menos certinha. Não é cinza nem chora seu passado difícil.O roteiro sugerido pelo Viagem é para quem já conhece Berlim - ou passou por lá recentemente, nas últimas (quase) duas décadas pós-Muro. Se não é o seu caso, talvez seja melhor começar a leitura pelo fim, ou seja, pelas atrações turísticas manjadas mas indispensáveis - e são tantas... Por outro lado, se você é um desses sortudos que podem desviar sem dó do Portão de Brandemburgo ou da Potsdamer Platz, seja muito bem-vindo.Você será guiado a três bairros (clique nas matérias acima) que estão dando o que falar entre berlinenses e visitantes, todos na antiga porção oriental. Dois deles, Kreuzberg e Prenzlauer Berg, ainda são segredos relativamente bem-guardados. Outro, Mitte (centro), está mais cool do que nunca e tem de incríveis lojas de design a brechós maravilhosos. Mitte é gigante, mas o que interessa mesmo fica em duas pequenas ruas, Alte Schõnhauser e Neue Schõnhauser, no coração do bairro. E os três, juntos, têm a noite mais agitada da capital alemã, com destaque para as casas de música eletrônica, abarrotadas de jovenzinhos da mesma idade dessa renovada Berlim, de cabelos coloridos e muita atitude.Antes de embarcar nessa viagem de descoberta, é preciso ter algumas coisinhas em mente: não há nenhuma pechincha nessa rota. Mesmo as lojas de segunda mão cobram caro - e em euro, claro. Apesar de os trens (S-bahn) e os metrôs (U-bahn) cobrirem grande parte da cidade, a idéia é gastar a sola do sapato, vasculhar cada rua de cada um dos bairros, sem um pingo de pressa, parando em cada portinha pelo caminho.Se você, como eu, não domina uma palavra de alemão, essa também será uma ótima oportunidade para testar a solidariedade dos berlinenses. Eles são extremamente atenciosos e gentis com as pessoas perdidas no meio daqueles nomes de tantas consoantes. É desconcertante. No fim, parece que todos sentem prazer em revelar um pouco da faceta descolada dessa encantadora mocinha.Viagem feita a convite da Lufthansa* FaçaCompre o Welcome Card se resolver ficar mais de dois dias. O cartão de 72 horas custa 24,50 (R$ 67), vale para trens, metrôs e ônibus e dá direito a descontos em museus e excursões.Compre pedacinhos do Muro, por a partir de 3,50 (R$ 9,60).Aproveite a noite, mesmo se for mulher e estiver desacompanhada. A cidade é segura.Peça informação sem medo; os berlinenses são muito solícitos.* Não façaNão invada a faixa de bicicleta nas calçadas. Elas não são muito bem sinalizadas, você precisa ficar atento.Não entre em cafés só para usar o banheiro. Uma alternativa são os sanitários públicos, a 1 (R$ 2,70).Parece bobagem, mas não entre no trem se ninguém mais entrar. Mesmo na última viagem, eles abrem as portas nas estações. Você pode acabar na oficina de manutenção, como esta repórter.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaBerlim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.