Mônica Nobrega/Estadão
Mônica Nobrega/Estadão

Bicicleta na tirolesa

E outras atrações do Parque Viva Brotas

Mônica Nobrega, BROTAS / O Estado de S.Paulo

04 Julho 2017 | 04h19

No alto de um morro, no ponto mais elevado do parque Viva Brotas, uma plataforma de madeira serve como bicicletário, mas um bicicletário diferente. É ali que ficam estacionadas – e dali que partem – as bikes amarelas nada convencionais que levam visitantes para pedalar em uma tirolesa.

O Viva Brotas foi inaugurado em 2014, mas a Superbike chegou por lá em janeiro deste ano. Pendurada em cabos de aço a uma altura de até 70 metros, a bicicleta depende exclusivamente da força das pernas do visitante para se movimentar. Um exercício respeitável ao longo de 1 quilômetro, metade na ida, metade na volta.

Vestida com os equipamentos de segurança, me acomodei no assento em formato de cadeira de praia, bem confortável. Os pedais ficam à frente do tronco. Testei a distância das pernas, regulável, e quando tudo estava ok, recebi autorização para partir.

À medida que se pedala, o chão vai ficando mais e mais distante dos pés. De um lado está o vale coberto de canaviais, como é atualmente em boa parte do interior paulista. Do outro, na encosta do morro, a Cachoeira Santa Eulália, que tem 47 metros de altura, e onde alguns turistas faziam cachoeirismo, o rapel em cachoeira.

A Superbike não é difícil, mas está longe de ser fácil de pedalar. Vá esperando fazer esforço. Na segunda plataforma, onde o brinquedo contorna uma enorme árvore e faz meia-volta, as pernas são bastante exigidas. No fim, eu sentia como se tivesse acabado de participar de uma aula de spinning.

A brincadeira só é permitida para quem tem altura mínima de 1,40 metro e pesa até 140 quilos. Mas sem problemas. O Viva Brotas tem outra novidade no quesito tirolesas: o voo canguru. Em dois lances, de 800 e 500 metros, um adulto e uma criança podem deslizar juntos; a criança vai no colo, atada a uma cadeirinha de segurança.

O parque está a 15 minutos de carro do centro de Brotas e tem várias outras atividades: trilha, rafting, rapel, observação de pássaros e de jiboias. Para matar a fome, o restaurante fica no alto da casa de madeira que abriga a recepção. Como uma casa da árvore, disse meu filho.

Quanto custa > A entrada é gratuita. Superbike e voo canguru, R$ 98 por pessoa, ou R$ 88 pela internet: vivabrotas.com.br.

Mais conteúdo sobre:
Cachoeira Brotas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.