Fotos: Ricardo Freire/AE
Fotos: Ricardo Freire/AE

Bons ventos trazem Barra Grande

Não confunda com a Barra Grande mais famosa, situada na pontinha da península baiana de Maraú. Esta Barra Grande pouco falada fica em Cajueiro da Praia, no ponto mais bonito dos 60 quilômetros da curtíssima costa piauiense.

Ricardo Freire, , O Estado de S.Paulo

08 Setembro 2009 | 02h44

Quem está colocando o Piauí no mapa das praias badaladas são os kitesurfistas - muitos deles, gringos -, que foram atraídos pelo clima seco e pelos ventos constantes que ocorrem no segundo semestre em todo o litoral brasileiro voltado para o norte.

Nos últimos anos, na surdina, o pessoal do kite instalou uma infraestrutura de muito bom gosto, que não destoa da rusticidade do vilarejo. Se você acha que Jericoacoara cresceu desordenadamente, vai gostar de ver como as coisas estão sendo feitas por aqui.

Não se trata de um segredo completo, como atestam as barracas postadas lado a lado no canto esquerdo da vila e que ficam cheias nos fins de semana da temporada (julho e janeiro). Mas a praia é extensa o suficiente para quem busca sossego o ano inteiro.

Julgando apenas pela praia, as qualidades de Barra Grande do Piauí não se limitam ao vento, não. O mar é uma delícia, de tombo - bem diferente das praias rasas e de ondas intermitentes que caracterizam o litoral do Maranhão ao Ceará. Não é exagero dizer que se trata do banho de mar mais gostoso entre os Lençóis Maranhenses e Jericoacoara.

O canto direito da praia é particularmente bem desenhado, formando uma enseada de cartão-postal. Caminhando para a esquerda você chega à barra propriamente dita, que é o point preferido dos kitesurfistas. Para quem não sobe na prancha a vela, o barato é pegar um passeio de barco rio adentro, até a famosa colônia de cavalos-marinhos.

BONNE NUIT

As duas pousadas mais charmosas são de franceses. A mais nova é a Casa Tartaruga (www.asatartaruga.com), que fica próxima à zona das barracas de praia.

A Ventos Nativos (www.ventosnativos.com) também tem bonita arquitetura e mantém o restaurante de maiores pretensões gastronômicas da vila, o Bistrô. Sua vizinha BGK (barragrandekitecamp.com.br) é de kitesurfistas piauienses; tem chalés arejados, alguns com ar condicionado, e a melhor estrutura de praia.

A "quadra de trás" da praia também tem pousadas simpáticas e com apartamentos refrigerados, como a Vento do Mar (ventodomar.com) e a Rota dos Ventos (pousadarotadosventos.com), que também conta com uma pizzaria.

DELTA E SETE CIDADES

Barra Grande está a 50 km (sempre pelo asfalto) de Parnaíba, de onde saem passeios aos Lençóis Piauienses e ao Delta do Parnaíba. Enquanto não voltarem os voos regulares a Parnaíba, o aeroporto mais próximo é o de Teresina, a 410 quilômetros dali.

Aproveite a escala para visitar outros tesouros do Piauí, como o Parque Nacional de Sete Cidades (entre Teresina e Parnaíba) e a Serra da Capivara (mais ao sul, na direção de Pernambuco).

Para quem faz a chamada Rota das Emoções, entre os Lençóis Maranhenses e o Ceará, Barra Grande é uma parada perfeita, 170 quilômetros antes de Jericoacoara.

INTERNET PARA VIAGEM | www.turomaquia.com

A paranaense Patricia Camargo vive nas Ilhas Canárias, onde faz mestrado em turismo. Mas já se revelou mestre-blogueira: não perca seus relatos sobre Caminho de Santiago, Grécia e Lençóis Maranhenses.

DOSSIÊ | Miradouros de Lisboa

linkCastelo de São Jorge. Toda visita a Lisboa deve começar aqui. Na primeira vez você entende a cidade. Na volta, redescobre.

linkSão Pedro de Alcântara. Recentemente reformado, o mirante do Bairro Alto proporciona o espelho perfeito à vista do castelo.

linkSanta Catarina. Tome o Elevador da Bica, vire à esquerda e aprecie o Tejo, a bordo de uma "imperial" (chope) no terraço do bar Noobai.

linkIgreja da Graça. É o lado B da vista do castelo - e tem o charme extra do gazebo e dos bondes que passam o tempo todo na rua ao lado.

linkSanta Justa. No alto do Elevador Santa Justa, é o mais turístico da cidade. Mas ver a Baixa do alto vale a subida.

linkCacilhas. Pegue um barco no Cais do Sodré e atravesse o Tejo. Da outra margem, Lisboa fica ainda mais fotogênica.

 

VIAJE NA PERGUNTA

Vamos passar 15 dias na Europa em novembro. Separamos cinco para Paris. Onde você acha melhor para o tempo restante: Provence ou uma viagem até Amsterdã?

Márcia e Marcelo, São Paulo.

Vocês vão me chamar de tucano, mas vou ficar em cima do muro. Na Europa, toda viagem vale a pena quando a época é certa e o itinerário não é maluco. Se escolherem Amsterdã, montem antes base em Bruxelas, Gent ou Antuérpia para explorar a Bélgica. Decidindo por Provence, peguem um TGV a Aix ou Avignon e aluguem um carro. Reservem quatro dias para a região do Lubéron. A Provence é melhor aproveitada com algum calor; se vocês acham que um dia vão poder viajar em maio, junho ou setembro, deixem o sul da França para uma próxima.

linkPerguntas: turista.profissional@grupoestado.com.br.

MURILO QUIRANA

Mu, o maior pão-duro da família Quirana, só não economiza dicas

 

"Caros, o barato é pegar um pacote para Cancún. Vocês já viram quanto está saindo? Agora no segundo semestre dá para ir por US$ 900 - mais barato que para a maioria dos resorts no Nordeste. Claro que aí tem truta: além da história da gripe suína, que botou medo em meio mundo, tem também o fato de agora ser temporada de furacão no Caribe. Mas com 50% de desconto acho que vale a pena encarar. Tá com medo? Ah, me poupe!"

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.