Monica Volpin/Pixabay
Monica Volpin/Pixabay
Imagem Mônica Nobrega
Colunista
Mônica Nobrega
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Buenos Aires com filho, por idade

A capital argentina dá supercerto com crianças. É só adaptar os passeios e atividades conforme a faixa etária delas

Mônica Nobrega, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2019 | 04h05

Como a maioria das grandes cidades, Buenos Aires dá supercerto com criança. Fazendo adaptações conforme a idade, então, está assegurado o sucesso da viagem.

A seguir, três roteiros certeiros para fazer com filhos até 14 anos. Depois dessa idade, se você conseguir descobrir algo que deixe os adolescentes contentes e puder voltar aqui para me contar, eu ficarei muito grata.

Até 2 anos 

Você pode fazer quase a mesma viagem que faria sem filhos, menos a vida noturna, claro. Leve carrinho de bebê e, sabendo que as calçadas de Buenos Aires são meio bagunçadas, também sling, aquele carregador de pano que prende a criança junto ao corpo do adulto.

Hospede-se na Recoleta, bairro central, bom de comércio e serviços e endereço do Malba, o melhor museu de Buenos Aires; o centro tem diárias um pouco mais em conta, mas morre no fim de semana e é menos gostoso para caminhar. Invista em uma hospedagem com cozinha, como os flats Ayres de Recoleta e Cyan Recoleta Suites

Se quiser ir ver um show de tango, os do Cafe Tortoni começam mais cedo, em geral às 20 horas, têm duração mais curta e são menos pirotécnicos do que os megaespetáculos estilo Señor Tango. O preço também é mais em conta, o que reduz o prejuízo caso seja preciso sair com o bebê no meio do show.

De 2 a 8 anos

Em Palermo, um complexo de áreas verdes une num contínuo o Eco Parque, os lindos Jardim Japonês e Rosedal, os Bosques de Palermo e o Planetário Galileu Galilei. É passeio para muitas horas, com intervalo para almoço bem típico no excelente Parrilla Don Julio, distante apenas 2 quilômetros.

Uma das coisas mais encantadoras que sobrevivem em Buenos Aires são os carrosséis em praças. Essas relíquias, por lá chamadas de calesitas, são patrimônio cultural da cidade, estão espalhadas por todos os bairros e somam mais de 30. Encontre-as em bit.ly/calesitasbsas.

O Museo de los Niños é uma dessas minicidades com atividades variadas, dentro do Shopping Abasto. Eu não consigo ver muito sentido em pegar um avião para levar meu filho ao shopping em outro país, mas se for o estilo da sua família, esta é uma atração frequentemente listada como uma das melhores para crianças na capital argentina.

Com bastante espaço exclusivo de pedestres, a Puente de la Mujer, barcos e muitos restaurantes, o Puerto Madero é ótimo para ver e brincar com as crianças. Visitem a Fragata Sarmiento, um barco-museu de 1897 que deu a volta ao mundo 37 vezes.

Mafalda, personagem do cartunista Quino que completa 55 anos em setembro, inspira a visita ao bairro de San Telmo. A foto indispensável com a boneca sentada num banco no passeio público está na esquina das ruas Chile e Defensa.

De 9 a 14 anos

O Malba e Mafalda são passeios com potencial para agradar também às crianças maiorzinhas e os adolescentes. Nesta idade, deixe San Telmo para o domingo, dia de feira de antiguidades e quinquilharias, com possibilidade de comprar fantasias, revistas e brinquedos de outros tempos.

O Caminito é batido, mas muito atraente para essa faixa etária: rende selfies ótimas para mostrarem depois aos amigos. Perto está o estádio La Bombonera, um dos mais legais do mundo para se assistir a um jogo de futebol. Pesquise e compre ingressos com bastante antecedência mas, caso não haja nenhuma partida programada para o período da sua viagem, invistam no Museo de la Pasión Boquense com a visita ao estádio incluída.

Também não deixem de passar um tempo na livraria El Ateneo Grand Splendid. O prédio foi teatro, cinema, virou livraria em 2000 e está completando 100 anos neste 2019. O térreo é todo dedicado à literatura infantil – há muita variedade de livros, calendários e souvenirs da Mafalda e dos personagens da tira Macanudo, do também argentino Ricardo Liniers. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.