Rodrigo Mindei/Novaventura
Rodrigo Mindei/Novaventura

Cachoeira da Velha e rafting, para contemplação e adrenalina

Depois de um passeio entre as corredeiras do Rio Novo, podemos contemplar a cascata

Viviane Jorge, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2019 | 04h40

Bem cedinho no segundo dia, seguimos rumo ao Parque Nacional do Jalapão. A estrada de Ponte Alta a Mateiros é bruta e tem de tudo: alguns poucos trechos de asfalto, terra, cascalho e muita areia fofa. Por isso é preciso contratar um guia com veículo 4X4. Não é um local fácil para se aventurar dirigindo por conta própria. 

Durante três horas seguimos balançando na estrada, em direção à primeira parada, a Cachoeira da Velha. No caminho, no meio do nada, há uma pista de pouso de aviões, e algumas poucas casas próximas. Paramos rapidamente e nosso guia conta que a lenda na região diz que aquela foi uma das fazendas do traficante Pablo Escobar. 

Logo depois dessa parada curiosa, paramos e seguimos por uma pequena ponte. No final, há uma plataforma de onde se avista a impressionante queda d’água. Com 100 metros de largura e 15 metros de queda, a cachoeira proporciona um espetáculo para os turistas. Como a correnteza é forte, o banho ali não é permitido, mas quem quer conhecer essa maravilha mais de perto tem a opção de descer as corredeiras de rafting

Corredeira abaixo

É possível mergulhar nas águas ainda calmas e rasas do Rio Novo, em algumas pequenas clareiras de areia na beira do rio, onde esperamos nossos guias para o rafting. Dá pra nadar observando os peixinhos nas águas transparentes.

Antes mesmo de entrar no bote eu já sentia o frio na barriga, só de ver as quedas gigantescas do Rio Novo. Enquanto eu me preparava psicologicamente, os guias passavam as instruções para o caso de cair n’água: ficar deitado e desça no estilo correnteza; não tente nadar. 

Já munidos de colete salva-vidas, capacete e remo, entramos no bote num grupo de sete pessoas, mais o instrutor. Calma, ainda não é hora das corredeiras: apenas atravessamos o rio até a outra margem e seguimos a pé por uma trilha.

O bote desce sozinho a primeira queda, de 15 metros, enquanto o grupo vai pela trilha. Em segurança, embarcamos e o primeiro desafio é remar contra a correnteza. O objetivo – o qual alcançamos com tranquilidade – é chegar atrás do véu d’água. A sensação é de pura emoção.

Depois de curtir esse momento é que começa a descida. Apesar de durar por volta de 20 minutos, o trecho é muito emocionante. A força das águas joga o bote para os lados, gira e nos coloca de volta no caminho. Em alguns momentos, tenho certeza de que vamos virar, mas isso não acontece. O passeio termina na prainha do Rio Novo, de areia fina e branca, onde você pode se banhar nas águas mornas e curtir o visual deslumbrante da Cachoeira da Velha. O passeio custa R$ 200 por pessoa com a Equipe Novaventura: (63) 99993-1978.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.