Campos sem agito ou frio

Fora da badalação do inverno, a cidade paulista tem passeios ao ar livre, zen e radicais

CRISTIANA VIEIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2011 | 03h02

Campos do Jordão é badalada a cada mês de julho, quando ocorre o Festival Internacional de Inverno. Mas é na calmaria da baixa temporada que você vai curtir o que há além de todo esse burburinho, especialmente em passeios ao ar livre na natureza. Distante aproximadamente 190 quilômetros de São Paulo, a região é farta em programas por picos, cachoeiras, praças e campos floridos, vistos seja caminhando, pedalando, cavalgando ou até voando.

Aos querem temperar o passeio com um quê de aventura o Rancho Santo Antonio (aventuranorancho.com.br) pode ser a escolha certa. Lá, o conceito é integrar diversão e natureza. O destaque é o arvorismo, mas também há passeios a cavalo, trilhas, water trekking e local para hospedagem. Entre lagos e riachos, o Bosque do Silêncio (12- 3663-4122) oferece circuito de arvorismo, paintball, minigolfe, bicicletas para alugar e trilhas. Se der sorte, além de ouvir o canto dos pássaros, você pode cruzar com esquilos.

Do centro de Capivari, parte o trem para a Estação Eugênio Lefèvre, em Santo Antônio do Pinhal, a cerca de 20 quilômetros. A viagem leva uma hora e custa R$ 40 por pessoa - informações pelo tel. 12-3663-1531.

Voo livre. Aos que têm mais tempo na cidade e gosto pela aventura, Santo Antônio do Pinhal é perfeita para saltar de asa-delta. Com um instrutor, o salto é feito do Pico Agudo (picoagudo.com), a 1.634 metros de altitude. No voo, avistam-se as cidades do Vale do Paraíba e da Serra da Mantiqueira.

Se a ideia é desbravar os cartões-postais, inclua na programação São Bento do Sapucaí, a 47 quilômetros de Campos, para ver o complexo que inclui Pedra do Baú, Bauzinho e Ana Chata. Chegar ao Bauzinho é fácil e até dispensa monitor, já que dá para ir de carro até um trecho e depois seguir por uma trilha. Para a Pedra do Baú também, mas a caminhada é mais longa, cerca de uma hora. Se a ideia for fazer o passeio completo, incluindo subir no topo da Pedra do Baú, contrate um guia. Ele estará equipado com capacete, corda e cadeirinha para acompanhar a subida nos mais de 300 ganchos que servem de escada. A escalada até lá proporciona uma vista incrível. Ainda tem disposição? Siga para Ana Chata. A trilha é puxada, mas o contato com a natureza transforma a caminhada em uma revigorante aventura.

Para obter mais informações sobre a região, acesse o site visitecamposdojordao.org.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.