Cânion do Xingó: vá, mas fique

Passeio de catamarã foi responsável por inaugurar o vai e vem de visitantes em Canindé

Ricardo Freire - turista.profissional@grupoestado.com.br,

12 Julho 2011 | 06h00

 

Se você ao menos zapeou a televisão entre seis e sete da noite, já deve ter reparado na beleza das imagens de arquivo que aparecem na passagem de cenas de Cordel Encantado, em cartaz na Globo. Na novela, aqueles incríveis paredões de arenito banhados por águas verdes se encontram nas redondezas do povoado fictício de Brogodó. Mas o cenário não é produto de nenhum truque de computação gráfica: existe na vida real. É o Cânion do Xingó e tem como porta de entrada a cidade de Canindé de São Francisco, na margem sergipana do Velho Chico.

 

Muito antes da novela, o cânion do Xingó já vinha se consolidando como o passeio mais cobiçado pelos turistas hospedados na capital, Aracaju - desbancando, ironicamente, outro cenário global, as areias de Mangue Seco, famosas desde Tieta.

 

É um passeio lindíssimo, mas cansativo. Os duzentos quilômetros - de ótimo asfalto - que separam Aracaju de Canindé não são vencidos em menos de três horas. Você acorda cedo, passa metade do seu dia na estrada mas acaba deixando de ver uma série de atrações que a região oferece. Vai por mim: se você tem vontade de passear no cânion do Xingó, programe pelo menos um pernoite. Você se cansa menos e aproveita muito mais.

 

O sertão virou lago. Antes de 1995, o leito do rio sequer era navegável neste trecho. Foi a construção da Hidrelétrica de Xingó que alagou todo o vale - e fez a cidade de Canindé se mudar para o alto da colina.  Até então, a região era famosa por ter sido um refúgio de Lampião e seu bando - e local da emboscada onde o rei do cangaço e Maria Bonita foram exterminados.

 

A importância histórica deste pedaço do sertão sergipano, porém, remonta a pelo menos nove mil anos. Cavernas e abrigos naturais conservam inscrições rupestres que alguns arqueólogos suspeitam que podem ser mais antigas que as da Serra da Capivara.

 

O básico: de catamarã pelo cânion. O turismo em Canindé só começou com o passeio de catamarã pelo lago. Hoje há pelo menos uma saída diária, de terça a domingo, às 11 horas, do píer do restaurante Karanca’s. O programa dura uma hora e meia, com a parada obrigatória na Gruta do Talhado, o ponto do lago mais propício para banhos (e fotos). Adultos pagam R$ 50; crianças, R$ 25. É possível também fazer o passeio de lancha; o tour de duas horas custa R$ 480 para seis pessoas. As reservas podem ser feitas pelo seu hotel ou diretamente com a MF-Tur (79-9972-1320).

 

O complemento: Piranhas e Angico. Um segundo passeio fluvial, a bordo do catamarã Pomonga, leva primeiramente à encantadora Piranhas, cidade histórica na margem alagoana do rio (aonde se pode chegar também de carro, atravessando a ponte). Ali você visita o centro de artesanato e o Museu do Sertão, e depois segue de barco até o acesso à Rota do Cangaço - uma trilha de 700 metros que leva à Grota de Angico, onde Lampião e Maria Bonita foram emboscados. Reserve no Xingó Parque Hotel (79-4063-5585). O almoço regional, cobrado à parte, é servido no bom restaurante Angico.

 

Urgente: Museu de Arqueologia do Xingó. Durante as escavações para a construção da hidrelétrica foram encontrados peças de grande valor arqueológico. Todas estão reunidas hoje no MAX, um bem montado museu onde o visitante pode entender a pré-história da região. Infelizmente o museu, que é administrado pela Universidade Federal de Sergipe, pode perder o patrocínio da Petrobrás, vital para sua manutenção. Visite enquanto é tempo: fica na estrada a Piranhas e abre de quarta a domingo, das 9 horas às 16h30 (ingresso: R$ 3).

 

Passado e futuro: Fazenda Mundo Novo. A maior coleção de inscrições rupestres se encontra no território da Fazenda Mundo Novo. As visitas estão temporariamente desativadas, mas em breve ganharão um estímulo extra: a fazenda está construindo quatro bangalôs confortáveis, no alto do penhasco, com inauguração prevista para antes do fim do ano.

 

Hotéis: banho de loja. Aproveite que os principais hotéis da cidade foram reformados para acomodar os atores e a equipe de produção da novela "Cordel Encantado". O mais bem estruturado é o Xingó Parque Hotel (xingoparquehotel.com.br; diárias a partir de R$ 170). O mais novo é o Águas de Xingó (79-3346-2200; as diárias começam em R$ 105).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.