Cantinas que armazenam história

Usadas originalmente para guardar mantimentos, as cantinas do distrito de Faria Lemos mantêm sua vocação - hoje, armazenando o passado. Seguindo por 11 quilômetros desde Bento Gonçalves por vias asfaltadas, o visitante encontra paisagem bucólica e a típica hospitalidade italiana na Rota das Cantinas Históricas.

BENTO GONÇALVES, O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2014 | 02h06

De fala articulada e mãos que denunciariam sua ascendência de Vêneto mesmo se estivesse calada, a entusiasmada enóloga Bruna Cristofoli, de 28 anos, recebe os visitantes na vinícola da família. "As pessoas vêm para ver quem somos, para ouvir nosso sotaque, para saber quem faz o vinho, quem faz a comida", conta. "Manter nossa identidade cultural é vital para a continuidade deste lugar, para manter as pessoas daqui, aqui."

Após participar de vindimas na Itália e na Alemanha, Bruna percebeu que não apenas produzia vinhos de qualidade, como possuía um ambiente aconchegante. E não estamos falando do Spazio del Vino, área de degustação e venda de produtos que funciona dentro da cantina propriamente dita. Os visitantes curtiam mesmo era ficar nos vinhedos. Foi aí que teve a ideia de estender edredons e fazer uma releitura gourmet do piquenique.

Atualmente, a manhã carinhosa, o almoço charmoso e o happy hour relaxado são as principais atrações da Cristofoli. O café da manhã, com uma leve música italiana de fundo e toalha estendida sob as sombras dos parreirais, custa a partir de R$ 190 por casal. Para brindar, vinho branco moscato de Alexandria (R$ 14) ou tinto San Giovese safra 2014 (R$ 28). Reserve com 24 horas de antecedência em vinhoscristofoli.com.br.

Depois do banquete, siga para o Mirante do Campanário, ali pertinho, para ter uma vista completa do Vale do Rio das Antas. São 55 degraus até o topo - não, não é o suficiente para perder nenhuma caloria da comilança prévia. A bem da verdade, você vai consumir muitas mais na vinícola Dal Pizzol, a parada seguinte. Com jeito de parque, tem pavões passeando pelos jardins e cisnes nos lagos, alheios aos visitantes.

Memórias. O antigo forno da olaria, conservado e restaurado, se transformou em enoteca, com uma coleção de garrafas de safras antigas, armazenadas desde a sua fundação, há 40 anos - hoje, são consideradas peças de museu. Aliás, o Eco Museu da Cultura do Vinho, pertencente à vitivinícola, exibe 235 exemplares de vinhos, garrafas exclusivas e outros objetos históricos. Destaque para a parede de abridores.

Há mais preciosidades em outras partes da Dal Pizzol. O Vinhedo do Mundo é uma coleção de 164 variedades de videiras de 22 países, a maior parte delas, ainda produtiva. É ali que a vinícola realiza sua festa de vindima, com a presença de celebridades - na última edição, o escritor Luis Fernando Veríssimo colheu uvas shiraz, variedade de origem iraniana. "O projeto simboliza a cultura do vinho e o que suas implicações filosóficas são capazes de expressar. A cultura do vinho não se limita apenas ao que está dentro da taça, 70% está fora dela", acredita Rinaldo Dal Pizzol, diretor da vinícola.

Para usufruir da culinária cuidadosa do restaurante, é preciso agendar com antecedência. Custa R$ 90 e inclui vinhos e espumantes à escolha do freguês - e sem limite.

Natureba. Se quiser dar um tempo no vinho, é possível fazer uma pausa na Vistamontes Sucos Naturais. É possível visitar os vinhedos de onde é extraída a matéria-prima para os sucos que, garantem os proprietários, são 100% naturais. E também a casa centenária, feita de pedras pelos primeiros imigrantes que ali chegaram. Agende: www.vistamontes.com.br.

Outra parada interessante é a Vinícola Mena Kaho, especializada em vinhos e sucos orgânicos. Não é preciso agendar: as visitas são realizadas de segunda a sexta-feira, das 7h30 ao meio-dia e das 13h30 às 17h45. Mais: vinicolamenakaho.com.br. /FELIPE MORTARA

Para celebrar suas quatro décadas, a Dal Pizzol lançou dois rótulos comemorativos (e limitados), chamados

40 anos. O tinto, um gran assemblage (combinação

de uvas), custa R$ 90; o espumante sai por R$ 130

Para evitar beber e dirigir, a Giordani tem vários

tours por Bento Gonçalves. O programa para a Rota

dos Espumantes, em Garibaldi, por exemplo, custa R$ 83. Conheça outras opções: giordaniviagens.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.