Gustavo Lopes/Estadão
Gustavo Lopes/Estadão

Capillas de Mármol, esculturas da natureza

Séculos de erosão causada pela movimentação das águas do Lago General Carrera esculpiram formações minerais de carbonato de cálcio e deram às rochas um aspecto de mármore. Declaradas patrimônio da Unesco em 1994, as Capillas de Mármol (capelas de mármore) representam um passeio de dia inteiro a partir de Puerto Chacabuco. Lá vamos nós para a estrada.

Puerto Chacabuco, O Estado de S.Paulo

07 Março 2017 | 03h52

São 320 quilômetros pela Carretera Austral até a comunidade de Puerto Tranquilo, de onde saem os botes que levam às capelas. O grupo de 24 turistas vai num ônibus 4X4 porque, a partir da vila de Cerro Castillo, 50 quilômetros adiante, o asfalto dá lugar a cascalho.

No caminho passamos por pequenas vilas tipicamente patagônicas como a de El Blanco, com seus 400 habitantes, onde existe uma escultura em homenagem ao chimarrão. Mais para a frente, o guia avisa que passaremos pela área chamada de Costa do Diabo, nome devido à dificuldade que antigos habitantes da área tinham de andar por aquelas bandas, que estão 800 metros acima do nível do mar.

Em todo passeio há paradas em mirantes para apreciar paisagens. Dentro de uma reserva podemos ver placas alertando para a preservação do huemul, um cervo da região sul dos Andes que é um dos símbolos nacionais do Chile. São animais protegidos por lei, matá-los é crime. O destaque seguinte é um bosque sem vida, que destoa do verde da região e não à toa leva o nome de Bosque Muerto. Culpa das cinzas do Vulcão Hudson, que entrou em erupção em 1991 e acabou com a vida animal e vegetal por ali.

É no bosque que paramos para o almoço. A guia aproveita para colher calafates, frutinhas que lembram o mirtilo – diz-se que quem prova de seu sabor levemente amargo volta à Patagônia.

O Lago General Carrera é o maior do Chile e chega ao território argentino, onde recebe o nome de Lago Buenos Aires. Em Puerto Tranquilo, embarcamos em pequenas lanchas para dez pessoas e seguimos em navegação pelas águas verde-azuladas e muito transparentes. A visita às Capillas de Mármol fica ainda melhor porque as pequenas embarcações podem acessar o interior de cavernas, onde se vê em detalhes as esculturas naturais e a bela diversidade de cores nas paredes rochosas. O passeio todo, com refeições, custa 80 mil pesos chilenos (R$ 383).

Mais conteúdo sobre:
UnescoChilePatagônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.